Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Pólis

The Pólis

Vade Retro, Política!

Certamente todos nós, se tivermos Facebook, já nos deparámos com grupos com o nome da nossa localidade de residência ou de trabalho.

Grupos onde se vão juntando pessoas da nossa terra, outras nem tanto e ainda há os que planeiam ir para lá viver e acham que o grupo lhes dará alguma informação acerca do que podem encontrar. Há quem resista ao ímpeto de aderir ao grupo, mas o mais comum é entrarmos, nem que seja para "cuscar".
Nestas macro comunidades virtuais, dentro da comunidade virtual do Facebook, encontramos um pouco de tudo, à semelhança da realidade. E isso, por vezes, não é agradável. É por isso que não conhecemos nem nos damos com todas as pessoas da nossa terra, no mundo "real".
Da minha localidade há vários, mas tendo já mudado de cidade, já estive noutros. Faço-o por curiosidade, mas também para saber "do que se fala", tendo consciência de que, como é lógico, nem todos têm facebook e nem todos estão nos grupos: portanto "o que se fala" acaba por ser mais limitado apenas à rede social que outra coisa.
Mas há uma característica que tenho notado, e que é claramente semelhante à tendência no mundo fora da internet. A fuga à política. Há N grupos em que, se na descrição refere que "o grupo serve para a partilha de tudo o que é relativo à localidade X", há sempre uma ressalva : Política aqui, não.

Os administradores dos grupos, concebem com naturalidade que se possa falar de tudo sobre a localidade, excepto política. Como se fosse possível separar as coisas, como se fosse saudável que se o fizesse.
Em outros grupos em que essa indicação prévia não é dada, é comum quando alguém partilha algo relativo a política, ler uns comentários do género "então mas isto é um grupo de propaganda política? os administradores não fazem nada? assim vou sai do grupo". Nunca ninguém contesta este tipo de comentários.
Ou seja, as pessoas querem juntar-se, trocar ideias e informações entre si sobre todo e qualquer assunto da sua cidade/localidade mas... nada que tenha que ver com política. Preferem ignorar, fugir, evitar debater a governação, trocar ideias, saber o que pensam os seus pares relativamente ao que se faz/fez/fará na sua terra a nível político que é como quem diz, ao nível da administração de assuntos que nos tocam a todos.
E eu não consigo entender esta vontade de enfiar a cabeça na areia.

Infelizmente, é um sintoma que sai apenas do local, e se destaca a nível nacional: basta ver os níveis de abstenção, eleição após eleição. Ou estar atento ao que nos rodeia. Ninguém quer conversar de política. Uns porque a acham suja, outros porque se sentem ignorantes no assunto (como se isso fosse possível), outros por medo de conflito ou represálias no seu dia-a-dia. Mas é comum ouvir a recusa, ou o pedir escusa para não tocar no tema.

E isto não apenas em Portugal. Hoje saiu uma notícia, que relata que o Facebook vai criar uma opção para que as pessoas escolham não receber anúncios relativos a política. Ou seja, de toda a panóplia de anúncios que nos aparecem, de cuecas com animais a drones, os que Mark Zuckerberg diz ter "ouvido" que as pessoas mais se queixam, são, alegadamente, os de política. Ofercendo-lhes assim, mais uma hipótese de se alhearem da vida política. Ficando o Facebook a ser cada vez mais, uma rede fechada (recordemos o que o algoritmo faz com as notícias), de entretenimento e conversa de circunstância. E aqui, apesar de reconhecer algum enviesamento, em parte acredito que haja realmente mais gente a queixar-se de propaganda política do que de publicidade a objetos.
No período histórico em que temos mais informação ao nosso alcance, mais possibilidade para a discutir entre nós, maior chance de exigir trabalho aos nossos representantes e facilidade em nos envolvermos na classe representante, se assim o desejarmos, "toda" a gente foge. Evita-se e foge-se da política. Evita-se e foge-se da "coisa pública". Na Grécia Antiga, os cidadãos que não discutiam política, era tidos como inúteis. Mais de um milénio depois, os cidadãos que discutem política são tidos como incovenientes.

Como é que chegámos até aqui? Que tipo de sociedade é esta, que se demite das suas funções básicas de cidadania, tendo em conta que tem a sua vida a ser representada por outros?
Terão os políticos que se tornar (ainda mais) em entertainers, para que nos voltemos a interessar? Queremos ser bem governados ou bem entretidos e enganados? De que fogem as pessoas?

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.