Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

The Pólis

Não Chega de loucura?

Terão os partidos mais antigos feito assim tanto mal, para que os portugueses deem carta branca a todas as loucuras de um partido "anti-sistema"?

Este fim de semana tivemos a convenção do Chega, amplamente acompanhada pela comunicação social, até demais se me perguntarem, tendo em conta que é um partido de 1 só deputado, e ontem ficámos a saber algumas das propostas mais chocantes, propostas pelos militantes.

Veio a público uma das moções apresentadas na convenção, da autoria de Rui Roque, ex membro do PNR e do Aliança. A moção certamente deve ter sido apenas alterada visualmente, pois as propostas encaixam na perfeição no programa político do PNR.
A  que mais está a dar de falar, é a proposta de retirar os ovários às mulheres que interrompam voluntariamente a gravidez, isto é, que abortem. Esta medida, para o Sr. Roque, deve ser aplicada se o aborto não for efetuado nas situações que este considera aceitáveis - violação, risco de vida para a mulher e malformações.

EiYmTrdWAAEswaN.jpg

 


O Sr. Roque coloca todo o ónus do aborto na mulher, castigando-a pelo que fez. Sendo o Chega uma religião, que se fundou com religiosos evangélicos e outros, ou o Sr. Roque acredita que as mulheres engravidam por obra do espírito santo, ou é um pulha que quer apenas castigar mulheres.
Caso contrário, teria toda a capacidade para propor algo do mesmo tom para o homem, co-responsável pela gravidez da mulher que aborta.
Ser contra o aborto é uma posição com a qual se pode ou não concordar. Isto é so abjecto. Não é de um partido cujo líder se diz inspirado em Sá Carneiro.

Depois de discutirem a pena de morte, serem anti-máscaras, proporem a castração química, agora temos a remoção forçada dos ovários às mulheres. O Chega tem um forte lobby interno afecto ou às agências funerárias ou ao Hannibal Lecter. Ou se mata ou se mutila.
E mesmo com estas provas de que o partido está a conseguir reunir um grande grupo de gente bárbara, que só propõe violência nas suas mais variadas formas, o partido vai de vento em popa. Estão os portugueses a querer castigar tanto os partidos habituais, que cegaram e não conseguem ver o monstro que criam? Ou devemos temer a sociedade que temos e dexar a abstenção como está, cuidando que poderá estar pejada destes monstros?

Coisas que o Avante conseguiu até agora

logo_share.png

 

O famigerado festival comunista Avante! tem estado na ribalta, com maior intensidade de há uns dias para cá, mas praticamente desde que os comunistas anunciaram que o iam manter apesar da pandemia.
Há semelhança do que fizeram com as celebrações do 1º de maio, o PCP justificou dizendo que a luta não para durante a pandemia e como tal, mais que nunca estas celebrações são necessárias.
Desde aí, por teimosia, orgulho ou fanatismo cego o PCP tem insistido em marrar contra a parede. Esta habitual firmeza na sua posição, colocou-os numa posição de "lose-lose". Tanto insistiram em esticar a corda, que agora qualquer que seja o desfecho, será sempre negativo para o PCP. A sua rigidez é característica da forma como encaram a atividade política, no entanto este foi um caso em que essa rigidez foi a sua pior inimiga.

Um partido dito "normal" não poderia tapar os ouvidos, ignorar a população e avançar com posições que demonstram que olham para o país através do partido em vez de olharem para o partido através do país.

Com isto, a Festa ainda nem se realizou e o Partido Comunista já conseguiu bastantes feitos, não propriamente agradáveis para os objetivos do partido.

- Depois de nas últimas Autárquicas ter perdido Câmaras Municipais no distrito de Setúbal, conseguiu colocar mais uma na corda bamba, tendo a população do Seixal a manifestar-se publicamente contra o partido e o "Avante!". As eleições são já em 2021;


- Aumentando mais o alcance geográfico da indignação, pode-se mesmo dizer que em todo o distrito, que tanto foi afetado pelas medidas escíficas do Governo ao longo da pandemia, não há grande apoio ao PCP nesta matéria. Se se fizessem aquelas sondagens de popularidade, aposto que seriam o partido a perder mais pontos;

-A tal situação "lose-lose" de que falei: Neste momento, se cancelassem a festa, seria uma derrota e demonstraria fraqueza ao mesmo tempo que passavam a imagem de que não tinham razão quanto aos motivos para a realizarem. Ao prosseguirem com a usa realização, demonstram-se frios perante crise sanitária envolvente e que afeta bastante o Seixal, passando a imagem de casmurrice e cegueira ideológica - cenário que só tende a piorar se os casos aumentarem a seguir ao evento;

-Conseguiu lançar uma bomba de oxigénio aos partidos à direita e até mesmo ao PS a nível local. A política não é para meninos, e estes partidos sentiram o "cheiro a sangue" vindo do partido que não desgruda das câmaras do distrito. Têm estado unidos e focados em não deixar cair este tema, pois já se aperceberam de que deste modo conseguem fragilizar seriamente a imagem do PCP junto do eleitorado. Esta semana a direita só compete pela liderança da luta contra o PCP e o "Avante!", pois quem a liderar ganha um maior ímpeto para as Autárquicas;

- Reforçam a ideia de que à esquerda do PS, há uma alternativa responsável e ponderada chamada Bloco de Esquerda. O BE durante muito tempo esteve atrás do PCP por não usufruir do seu prestígio, mas agora cada vez mais se distancia dos clássicos comunistas, passando uma imagem de Esquerda Moderna vs Esquerda Retrógada (Não esquecer que a defesa do PCP face às críticas do Avante se têm limitado às mesmas acusações de anticomunismo e fascismo de sempre) O Partido Comunista se voltar a apanhar o BE em termos de resultados eleitorais, será única e exclusivamente por demérito do Bloco.

Futuramente, o PCP poderá ainda vir a conseguir abraçar a imagem de oportunista, se aprovar o Orçamento de Estado ao Partido Socialista, pois este último tem sido estranhamente brando quanto à Festa do "Avante!" e às caricatas posições dos comunistas durante esta pandemia. Toda a gente já suspeita de uma operação de charme de António Costa. Só o tempo o dirá.

Se acha que o RSI é assim tão bom, despeça-se

Este fim-de-semana surgiu nos media, a proposta do Chega de aumentar a fiscalização a quem recebe o Rendimento Social de Inserção (RSI) e obrigar os beneficiários a exercer serviço comunitário.
Apesar da proposta não ser totalmente nova, no meu pouco tempo de observação nas redes sociais pude constatar dezenas de reacções. E são algo surpreendentes.

Rendimento-Social-Inserção-1.jpg

 


Não tinha a noção que tanta gente inveja o RSI ou considera que quem o recebe é um malandro que se quer aproveitar do sistema. É claro que esta proposta, vindo do partido que vem, é apenas um prolongamento natural da sua agenda de assimilação dos ciganos, utilizando um ideia de senso-comum de que todos eles recebem RSI, mantendo paralelamente os seus negócios de comércio ambulante.
Não tenho conhecimento sobre estatísticas onde se tenha aferido tal comportamento, por parte desta comunidade em particular, no entanto fiquei surpreendido com a aparente positividade com que foi recebida a proposta. Ao que parece, através dos comentários que fui lendo, a minha "sondagem" pessoal, indica que há toda uma franja populacional que considera que se tem de fiscalizar mais estas pessoas que recebem centena e meia de euros do Estado, e exigir-lhes trabalho para merecerem o que recebem...


Estas propostas claramente fazem vir ao de cima o portuguesinho mesquinho, que inveja sempre a galinha do vizinho, ainda que esta seja um pinto enfezado. Pergunto-me é, se há tanta gente que acha que receber o RSI é ter "boa vida", porque é que não se despedem e pedem-no também?

Outro pormenor, ou pormaior se me perguntarem, é o facto de a proposta vir do partido cujo líder proclama deitar abaixo o sistema, destruir a corrupção e "fazer das tormentas boa esperança". Ora ligando estas suas vontades, por exemplo, a esta proposta, a coisa parece-me contraditória e algo caricata.

Apresenta-se então o grande destruidor da corrupção, que faz tremer o PS e os interesses instalados... e começa pelos desempregados! Não vão estas pessoas, esta cambada de sanguessugas querer aproveitar-se do sistema para receber 200€, o salvador André já está no seu encalce.

Os outros, os grandes, os Ricardos, os Joes e os Escárnias, ficam para o fim. Afinal até o povo concorda não é verdade? Não hão de dizer que somos mansos...

Galambing, a arte da soberba

Lembram-se há "muito muito tempo" de um ministro chamado João Soares, reza a lenda, ministro da cultura? Talvez tenha sido o último membro do Governo de António Costa, com alguma decência e sentido de Estado. Talvez, calma.

Corria o longínquo mês de abril, do ano de dois mil e dezasseis. João Soares demitia-se no seguimento de um post no Facebook, onde oferecia umas "salutares bofetadas" a Augusto Seabra e a Vasco Pulido Valente. Na altura, o primeiro-ministro referiu que os ministros tinham de ter consciência do lugar que ocupam.

Podia discorrer se, agora passados 4 anos, a sua demissão nos seguimento desse post fez sentido, tendo em conta tudo o que veio a acontecer até hoje, com os membros do Governo.
Mas gostava de me cingir a um caso particular, tão particular que diria até especial. E não no bom sentido.

João Galambra é Secretário de Estado Adjunto e da Energia, mas já era conhecido da maior parte dos portugueses atentos a política. Um aficionado de José Sócrates, João foi escalando a hierarquia do PS com uns spins e algum mediatismo. No entanto, umas das características que o governante nunca fez questão de esconder foi a sua arrogância e má criação.

i044971.jpg

 


Antes de ser nomeado para o Governo de António Costa, era já um hábito identificado pelos internautas, o de ofender quem o criticava ou de mandar estudar gente que, em muitos casos, tinha um currículo bastante superior ao seu.

Houve aliás uma brincadeira de um dirigente da IL, Ricardo Pais Oliveira, que fez uma lista de gente a quem o agora Sec.de Estado mandou estudar antes de falar. Na lista, que é ilustrada para que não sobrem dúvidas, encontramos nomes como Miguel Poiares Maduro, Ricardo Costa (irmão de António Costa), Jorge Moreira da Silva ou Camilo Lourenço.

A bazófia do socialista era bastante reputada. Recentemente esta postura fermentou novamente no meio mediático devido ao projeto do Hidrogénio em Sines, que o Sr. Secretário de Estado diz ser muito positivo, mas que dezenas de pessoas que estudaram o tema, dizem ser um embuste. João Galamba não tem tido qualquer pudor em chamar de mentirosos todos os que criticam a estratégia do Hidrogénio, tal como aconteceu com Clemente Pedro Nunes, um professor universitário jubilado e especialista em energia. O-bvi-a-mente que tem de ir estudar!

A situação aliás, levou a que Jorge Barreto Xavier dedicasse uma das suas crónicas ao assunto, considerando que este não tem tido a atenção devida. Subscrevo e posso dizer que vale a pena ler - é muito melhor que o meu.

O que surpreende é que não só já era expectável que João Galambra destilasse a sua arrogância para cima de tudo e todos, pois o seu percurso assim o fazia prever, enquanto governante, foi ainda assim nomeado para Secretário de Estado. E, igualmente supreendente e caricato, tem sido o silêncio do governo face ao comportamento de João Galamba. Os Secretários de Estado também não têm "de ter consciência dos lugares que ocupam"?

O único partido português do lado de Lukashenko

Provavelmente bastou-lhe ler o título para perceber de que partido se trata. É verdade, é o Partido Comunista Português.
A nossa anta, reconheceu e validou as eleições na Bierlorrússia, dizendo mesmo que até foram congratuladas por Vladimir Putin e Xi Jiping - dois arautos da liberdade.

A notícia, escrita no orgão de comunicação oficial do partido, dá ainda nota de que as eleições foram validadas pela comunidade independente de estados (CES) da qual fazem parte 9 países, na sua maioria ex-satélites da URSS.

O tempo vai avançando e em Portugal vamos continuando com um partido que aplaude ditaduras, no Parlamente. Um partido que não acredita em eleições, no Parlamento. Um partido que é apologista de um dos mais brutais regimes da História da Humanidade, e que o festeja alegremtente.

São tão desprezáveis quanto os regimes que ridiculamente defendem. E nós somos cúmplices desta podridão moral.

IMG_20200813_111207.jpg

 

Geração Ghost

Dia internacional da juventude

dia-mundial-da-juventude.jpg

 

 


Quem tiver andado distraído relativamente a novas terminologias utilizadas pelos jovens, pode não estar familizarizado com o termo ghost ou ghosting. Simplificando a explicação, trata-se de ignorar propositadamente alguém, até que esse alguém desista de tentar interpelar-nos.

Vamos a caminho de mais uma crise económica gravíssima, tudo indica. Para muitos, apenas mais uma, mas para uma franja da nossa sociedade em particular, este "mais uma" tem um outro peso. Não tendo qualquer pretensiosimo em querer escrever um texto em representação dos jovens, porque nem estou mandatado para isso (como se isso fosse possível), nem teria essa capacidade por múltiplos factores que só para os elencar seria necessário não um texto, mas vários. Escrevo então enquanto pertencente a esta faixa etária, a que airosamente a sociedade chama de jovens.

Para muitos outros como eu, confirmando-se esta pesadíssima crise, é a segunda que experienciamos em menos de 15 anos. Certo é que não é o mesmo que viver um período de guerra ou que viver em período ditatorial, mas também não me parece correto que se comparem situações. Esta é a nossa realidade, e a aspereza do que não vivemos não a amacia, por muito que o queiram.

Os jovens são atualmente "a geração mais bem informada e preparada de sempre", "o futuro do país" , a "esperança do mundo" e outros clichês românticos. Porém quando o cenário não está para romantismos, como por exemplo quando a abstenção sobe ou agora mais recentemente, quando os números de infetados pelo covid-19 sobem, a culpa recai nos suspeitos do costume, os jovens.

O clichê mais paradoxal, na minha opinião, é o de considerarem que os jovens são os mais bem preparados e informados de sempre. Porque quando um jovem chega a um lugar de responsabilidade, na política, na ciência, na gestão ou em qualquer outra área, todos apontam para a sua idade como factor predominante para avaliar e prever a sua alegada incapacidade. São bem preparados e muitíssimo bem informados, mas não se estiquem.

Quanto ao ónus de nos considerarem o futuro e a esperança da nação, é francamente a base de nos tornarmos a geração ghost. Quando chega o momento de demonstrarem o quão nos consideram realmente, dão-nos ghost. Somos muito importantes, mas oferecem-nos maioritariamente condições precárias de trabalho, ou estágios porque quando se trata de uma pessoa com menos de 30 anos não há qualquer pudor em lhe oferecer magnanimamente um pouco de "experiência". Uns mesinhos a trabalhar sem receber nunca fizeram mal a ninguém. Mais tarde chegam as surpreendentes estatísticas de que os jovens não saem de casa dos pais - imagine-se porque será.

Somos o futuro, mas não gostam de nos consultar. Um mero orgão consultivo como o Conselho Municipal de Juventude, ainda continua a ser recusado em muitos munícipios pelo país fora. Já lá vão 10 anos desde a sua obrigatoriedade.

Consideram-nos a esperança, mas continuamos com um sistema de ensino praticamente igual há décadas. Explicam-nos tudo, menos o funcionamento das instituições que nos vão marcar o resto da vida - bancos, finanças, segurança social, câmaras municipais etc.

Facilitam-nos o acesso ao ensino superior, com bolsas (poucas ainda) e reduções de propinas, mas não há uma comunicação eficaz com o mercado de trabalho para que se evitem licenciaturas em desemprego. Investimos tempo e dinheiro em sonhos que, quem tem responsabilidades executivas já sabe à partida, que não se vão cumprir. Pelo menos não em Portugal.

Saímos à rua para nos manifestarmos, pedimos para falar, para ser ouvidos. Sorriem, tiram fotos e elogiam. E a seguir? Ghost.

Podemos dar de barato que esta é a geração mais bem preparada e informada de sempre, no entanto, e seguindo esse raciocínio, esta também é a geração onde é mais notória a ausência de planeamento para a juventude por parte dos governantes e em que é mais ofensiva a condescêndencia com que a sociedade trata os jovens.

Ficaremos marcados por termos sido a geração na qual mais recairam os erros do passado, a geração mas encurralada em falta de soluções e onde as expetativas, nossas e dos outros, mais se tornaram em sonhos não concretizados.

Geração mais bem preparada, informada e ignorada. Assim é que ficaria completa a descrição.

O protótipo ideal

Voltou à baila, não sei por quem, nem se foi propositado, a notícia de 2014, do Correio da Manhã, acerca da presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria Dores Meira, em que se referem os 14 imóveis do quais era proprietária à data ( não sei se agora são menos ou mais), assim como a sua declaração de rendimentos.

Rapidamente esta velha notícia foi espalhada por vários grupos do Distrito, nos quais para uns foi novidade, para outros não. Incluo-me nos que já conheciam a notícia, assim como a resposta da edil à epóca.

Acontece que, Maria das Dores Meira anunciou há relativamente pouco tempo a sua putativa candidatura à Câmara Municipal de Almada. Isto é, como já não tem possibilidade de continuar em Setúbal, já veio dizer publicamente que não se importa nada de saltar para outra Câmara.

Ora tendo a presidente ambições de se candidatar a uma Câmara, na qual não tem a certeza que consegue ganhar, não podia deixar que andasse novamente a circular a notícia de 2014. Prontamente, já se pronunciou sobre o tema no seu Facebook, recuperando também o post que publicou naquele ano, para responder à notícia.

A presidente começa o seu novo texto sobre o sucedido, dizendo que "o povo não é estúpido". Não é mesmo, e por isso é que gostaria de dizer que os esclarecimentos de Maria Dores Meira são uma, passo a expressão, "chachada".  Vem dar um ar de ofendida, negando aquilo que lhe interessa e rebatendo que os imóveis foram adquiridos "ANTES" de ser autarca.

Isso é completamente irrelevante. Maria Dores Meira quer desviar as atenções de algo que considero, se não mais, pelo menos tão grave como aquilo que a acusam. Esta incoerência entre o que se é e aquilo pelo qual se diz mover.

A presidente da Câmara de Setúbal é, na verdade o protótipo ideal do comunista português. Um burguês refastelado que para atingir o poder, se faz de defensor dos pobres e oprimidos.
O PCP, sendo o partido que mais vomita contra os monopólios, o lucro desmedido e a acumulação de capital, é também o partido que mais põe mais em prática aquilo que critica. E os seus dirigentes fazem também jus a essa regra.

O que é espantoso é que "o povo não é estúpido" mas acha que alguém com 14 imóveis está com ele, no mesmo barco, na luta contra o grande capital. Ache que alguém que diz que gostava de "ter dinheiro para tanto [colocar em contas nas ilhas Caimão]", é uma lutadora pelos direitos do proletariado e que se interessa pelas dificuldades dos trabalhadores. Que alguém que acumula capital é contra quem acumula capital.

Não há problema nenhum em um comunista ter dinheiro, podem é de vez, abandonar a retórica hipócrita e assumir que não se importam de enriquecer ilimitadamente, e que não se importam de cavar um fosso entre o seu dinheiro e os que têm falta dele, e que tanto juram defender.

Os pseudo comunistas, dirigentes do PCP, quando estão na mó de cima, ou quando como neste caso já vêm da mó de cima, estão se marimbando para a distribuição de riqueza. Estão, assim como o seu partido, interessados na acumulação de riqueza. O PCP, aqui personificado em Maria Dores Meira, é rico, gordo e capitalista. A presidente sabe, o partido sabe, e o povo que "não é estúpido" tem de começar a saber.

img_920x518$2018_01_13_00_36_26_1353147.jpg

 



Onde anda a Responsabilidade?

Lisbon_67_(14679919964).jpg

 


 "expresso curto" (sem querer usurpar a rúbrica do Expresso) :

Acho caricato e sobretudo perigoso que, depois de sabermos que vamos claramente ter uma crise (mais uma) fortíssima sobre as nossas vidas, a comunicação social e a população em geral estejam mais interessados em andar atrás de quem não apresenta uma única solução, um único traço de planeamento para não nos vermos todos na miséria daqui a uns meses.

Bloco de Esquerda e Chega, sendo coerentes com a sua natureza radicalista, monopilzam a atenção nos últimos dias com a pífia discussão sobre se somos todos racistas ou não.

É com certeza a conclusão desse debate que nos vai proteger os rendimentos, os empregos e o futuro dos nossos jovens.
Como é possível que andemos tão alheados da realidade?

Impressionante e assustador

Sebastião Bugalho escreveu há uns dias um artigo de opinião no Observador, em que a ideia principal era a de que Rui Rio estava a cumprir escrupulosamente o seu plano, traçado algures na sua mente, para chegar à cadeira do poder. Nesse artigo, alude a um outro, de Francisco Assis. É sobre essa que escrevo.

Francisco Assis é um destacado militante do PS, que beneficia de uma admiração intelectual tanto à esquerda como à direita, e que no caso destes último, o consideram como o que seria o socialista ideal para se conversar - conversar no sentido de encontrar posições conjuntas com partidos à direita.
Não sei, nem tenho capacidade para tecer considerações acerca da inteligência do Francisco Assis.

O artigo, intitulado "Uma geringonça de direita", começa por parabenizar o livro "Linhas Direitas" (que reocmendo, já agora) por ser uma antologia do pensamento conservador e liberal português contemporâneo, de qualidade. Escreve o autor que  "(...)Vale a pena ler para se superar definitivamente a representação caricatural de uma direita obtusa que alguns sectores da extrema-esquerda procuram sistematicamente promover. ". Não podia concordar mais.

O que me impressionou no artigo, o qual desconhecia a existência, e que já é datado de fevereiro deste ano, foi a tese escrita a seguir. Francisco Assis colocou uma hipótese, que se alguma vez a mim me passou pela cabeça tal cenário, sempre o considerei uma divagação sem fundamento. No entanto, a realidade parece querer fazer-me engolir tal descrédito.


O ex-eurodeputado fala-nos da hipótese de Rui Rio querer efetivamente estabelecer pontes à direita, e replicar o que o PS fez à esquerda. Isto, se a estratégia de revelar que no fundo partilha muito mais valores com a esquerda do que com a direita ( e que o autor também acredita ser verdade) falhar. Diz Assis que "se não conseguir alcançar este objectivo o país continuará a contar com uma maioria de esquerda no Parlamento." e que como tal Rui Rio, terá de optar por outra via para alcançar o Governo.

116433783_10224531898793463_5296507103769543183_n.

 


Essa via, não podendo ser pré-eleitoral, nas palavras do autor, apenas será tida em consideração depois de terminadas as eleições e contabilizado o peso de cada um. Francisco Assis considera que, se se verificar que toda a direita conjunta, mais o PSD, formarem conabilisticamente uma maioria, Rui Rio não hesitará em propôr um Governo apoiado pelo CDS, Iniciativa Liberal e Chega, replicando a ideia pioneira de António Costa.


Se esta ideia, em fevereiro, me parecia quase conspirativa, agora já não sei que diga. Assis chega mesmo a prever que o argumento que será utilizado então, quando acusarem o PSD de dar a mão à extrem-direita populista, passará por relembrar que "António Costa não hesitou em negociar com um partido que nunca condenou o totalitarismo soviético, que continua a falar da “alegada queda do Muro de Berlim” e que não esconde alguma simpatia pelo regime norte-coreano." .

Não só foi bem previsto, como até já acontece mais cedo que o pensávamos. O PSD já piscou o olho ao Chega, e há quem veja a possibilidade com bons olhos, correndo já nas redes imagens como a que ilustra este texto, ou posts escritos que consideram exatamente o mesmo.

Impressionou-me a capacidade de previsão de Francisco Assis, mas agora assusta-me que esta venha a ser uma realidade. O pior que poderia acontecer à Direita, e ao país, era acrescentar mais um radical a molhar os dedos no poder. Se, como diz o ex-eurodeputado, já existe uma representação caricatural da Direita em Portugal, aqui a caricatura passa a misturar-se com a realidade e perdemos de vez a esperança e a oportunidade de um dia termos uma Direita construtiva e democrática, à semelhança do Reino Unido ou da Alemanha, a contrabalancear com os socialistas.

Racismo, o derby voltou.

Um homem matou outro em Moscavide. Um homem idoso matou um outro homem jovem em Moscavide. Um homem idoso e branco matou um homem jovem e preto.

Escolha a frase que melhor lhe convier.

Infelizmente, pelo ambiente mundial, americanizado, que se vive afastomo-nos sempre do essencial para discutir o acessório. Eu escolho a primeira frase, porque considero ser a correta. Seja qual for a motivação, um homicídio é um homicídio. O que se tenta fazer dele a seguir, é só a amostra da putrefacção que se vive na política.

A discussão patética do "Portugal é Racista" vs "Portugal não é racista", está de volta, e os extremos políticos já a recebem de bom grado.
Eu não sei se Portugal tem um racismo institucional ou não, mas sei que Portugal não tem níveis de racismo comparáveis com aquele que querem fazer crer que temos. Não, os pretos não temem andar na rua, nem temem imediatamente pela vida quando abordados pela polícia. Isto não são os Estados Unidos da América.
Por incrível que pareça, os pioneiros a  importar polémicas americanas para cá, são os mesmos que fazem bandeira, a luta contra o americanismo por representar o climax do capitalismo - falo do Bloco de Esquerda.

O Racismo só não existe onde não exista gente. Deve ser repudiado e criminalizado. Mais que isso tem o efeito inverso: acicata-o. Ter um partido a dizer constantemtente que vivemos num país de brancos contra pretos, vai provocar a existência de um partido que diga o oposto. Até há bem pouco tempo só contávamos com um, agora já contamos com o segundo. O Chega, na sua senda de dar nas vistas, já chamou a si o papel de contraria a esquerda em tudo, nem que para isso tenha de dizer as maiores barbaridades.
Portanto, descemos ao nível em que temos o BE a dizer que há gente que considera não haver racismo em Portugal, e o Chega a dizer que há quem considere que tudo é racismo.

Isto não serve de nada, nem ajuda em nada. Só piora, só divide, só alimenta e cria hostilidades desnecessárias entre portugueses. Estes dois partidos são o espelho um do outro, e aproveitam tragédias para promoverem as suas agendas.

Eu continuarei a fazer o possível por evitar esta dicotomia tola. Acho que é de bom senso, perceber que há gente decente e gente indecente em todo o lado. Nem somos todos santos, nem todos pecadores.

O importante é que se faça justiça, e que o homem que matou outro homem seja punido.

1024.jpg

 

Um "meme" que traduz bem a atualidade

Os memes geram-me um sentimento ambíguo: se por um lado exprimem posições, sentimentos e satirizam momentos com muita eficácia por se cingirem a uma imagem, por outro são espelho da nossa (in)capacidade e (in)disponibilidade para interpretar algo que vá além das duas linhas de texto.

Enfim, fica para uma outra reflexão. Encontrei este meme na página de Instagram "InspetorMarx" e acho que sintetiza muito bem o que se passa em Portugal.

EdoJ7NwXkAACGDl.jpg


A personagem Thanos, dos filmes da Marvel Comics, na imagem é o PS. Tal como Thanos, vai acumulando pedras especiais (que aqui são os partidos) na sua luva de poder. Tendo todos sob a sua alçada, o poder é praticamente ilimitado e permite façanhas como a de ontem em que foram aprovadas medidas de puro ataque ao regime democrático - dificultar candidaturas independentes às autarquias, aumentar o número de assinaturas para uma petição ser leva à Assembleia da República e, a cereja no topo do bolo, diminuir a regularidade dos debates com o Primeiro Ministro.

O PSD ESTÁ EM LIQUIDAÇÃO TOTAL

Conheci nos meu tempos de 3º ciclo quando frequentava a explicação, um jovem mais velho que eu, que já estava provavelmente no 11º ou 12º ano. Vamos chamar-lhe Carlos.
O Carlos não tinha uma personalidade particularmente carismática, aliás até era bastante calado. Tinha um estilo que é normalmente chamado de "gótico" e era sobrinho da explicadora. Ela, já idosa, como não tinha netos via-o como um neto e partilhava connosco, de vez em quando, alguns factos sobre ele como as notas ou a relação supostamente engraçada que tinha com o avô. Foi nesse último tema - a relação com o avô - que até hoje retive um "fun fact" da altura, relativamente ao Carlos. Ele era fã de bandas de Metal bem pesadas, e colecionava discos vinil das bandas. Tendo em vista esse objetivo, o Carlos, segundo a minha explicadora, tinha desenvolvido uma estratégia para aumentar a coleção às custas do avô.
Sendo o senhor também um coleccionador de vinis, de outras bandas claro está, o Carlos aproveitava os aniversários do avô e o Natal, para lhe oferecer discos...de bandas de Metal.Como o avô não gostava daquele género musical, os discos acabavam por ficar para o Carlos. Assim o Carlos conseguia comprar mais discos para a sua coleção, usando como pretexto as prendas para o avô.

Porque é que me lembrei do Carlos? Porque ontem depois da confirmação de que o PSD e o PS iam aprovar a nova regularidade dos debates parlamentares com o Primeiro-Ministro (PM), surgiram muitas teses acerca do porquê de Rui Rio querer diminuir o número de vezes que o PM é obrigado a ir prestar contas ao plenário. Uma delas a de que o deputado está a preparar o terreno para quando for ele a ocupar o lugar de António Costa. Tal como o Carlos, Rui Rio estará a dar prendas a António Costa, porque acha que vai ficar com elas.


É uma tese que tem alguma graça porque se imagina Rui Rio a achar que vai ser Primeiro Ministro. Tendo mais a acreditar que quem equaciona esta hipótese acredita mais na ideia que o presidente do PSD vai ser PM, que o próprio visado na tese. No entanto, havendo a hipótese de que Rio ache mesmo que vai chegar a chefe de governo, tiro-lhe o chapéu pela ambição mas lamento informar de percorrendo o calvário da Oposição da maneira que o está a percorrer, ninguém lhe reconhece capacidade para ganhar umas eleições ao PS, nem que o António Costa desta vez consiga mesmo agarrar-se ao pescoço de um idoso mentiroso.
Mas há outro motivo que me leva a tirar-lhe o chapéu e que gostava de um dia ver esclarecido. A forma como anestesia toda a índole democrata e reformadora do partido que lidera. Como é que consegue convencer 78 deputados de um partido fundador da nossa democracia a concordarem com o fim dos debates quinzenais com Primeiro-Ministro. Ninguém se opõe, ninguém tem uma opinião divergente quanto "ao menos espetáculo e mais trabalho" do deputado Rui Rio? Ninguém se ofende com estas tiradas populistas ao nível do deputado do Chega?

Cúmulo dos cúmulos, conseguiu colocar o PSD a suplantar a ideia do PS e apresentar uma proposta ainda pior! É que enquanto o PS queria colocar o PM a debater de 2 em 2 meses, o PSD propôs que apenas se debatesse 4 vezes por ano...
Teve de ser o Partido Socialista a negociar e convencer o PSD a desistir dessa proposta e apoiar a dos 2 meses. Acabam por sair destas negociações como o partido mais sensato.
Quão de pernas para o ar tem de estar o nosso Parlamento para termos o partido de Governo a pedir para que se escrutine menos o Governo, mas não tão pouco como o principal partido da Oposição quer?

Li também hoje: "PS e PSD em mudar debates quinzenais". Não podia este título estar mais errado. Os isolados são todos os outros partidos que mesmo votando contra, não conseguem evitar este despejo de ácido sulfúrico sobre a nossa democracia. Os isolados somos todos nós que, chocados com esta promiscuidade entre PS e PSD, não podemos fazer nada para o evitar.


PSD-logo-1-1.png

 

Estar é (muito) diferente de fazer

No dicionário Priberam, da Língua Portuguesa, a palavra "estar" tem 34 significados possíveis. Já a palavra "fazer", tem 40. Em nenhum deles, conseguimos encontrar a ligeira semelhança para que possamos associar estes dois verbos. Estar não é fazer. E fazer nunca será o mesmo que estar.

Vem isto a propósito do pequeno fait-diver que tem entretido alguns políticos e eleitores que apreciam a politiquice. Começou com a crítica do deputado Moisés Ferreira (BE) ao líder do Chega, de faltar várias vezes às reuniões das comissões parlamentares, e veio ululando até hoje, em que já podemos encontrar algumas peças jornalísticas sobre as faltas dos deputados na Assembleia da República.

Não é que seja uma novidade, os jornais apresentarem estes dados, mas gerou-se alguma atenção por vir tão próxima do acima referido acontecimento. Como era de esperar cada partido e cada político tem pegado nos dados publicados e recortado à sua maneira, para fazer a devida auto-promoção ou acérrimo ataque.

O Bloco de Esquerda insistiu nas faltas do deputado do Chega. O Chega inventou faltas à líder do Bloco de Esquerda. A Iniciativa Liberal aproveitou para propagandear as zero faltas do seu único deputado, Cotrim de Figueiredo.

Depois, isoladamente, nos outros partidos, cada deputado que tem uma ficha de presenças "imaculada", faz a sua publicidade, conotando essas presenças com árduo trabalho em prol da população.

Surpreende que tanta gente se deixe levar por esta conversa de chacha e que continuemos a ter discussões políticas tão infantis. Se os deputados acham que a produtividade se mede pelo tempo que passam no Parlamento, é muito mau sinal. Se nos estão a tentar ludibriar, utilizando estes dados premeditamente mesmo sabendo que não significam nada, é muito mau sinal também.

Encontramo-nos no ano de 2020, e já é mais que certo e sabido que trabalhar mais ou estar mais tempo no local de trabalho, não significa ser-se mais produtivo. Então porque é que há quem ache que isto não se aplica aos deputados da Nação?
Eu, por exemplo, escrevo este texto no meu trabalho, quando devia estar a executar aquilo para o qual me pagam. Estou aqui, mas não estou a trabalhar.

O André Ventura tem cerca de 2 minutos para falar por debate, e no entanto consegue fazer mais barulho que alguns deputados que dispõem de muito mais tempo ou que estão lá há muitos anos, alguma vez vão fazer durante toda a sua carreira. Para os objetivos do partido dele (que passam por dar nas vistas) está a ser muito produtivo.
Já o Ferro Rodrigues, quando foi líder da bancada parlamentar do PS, conseguia ter muito tempo e não acrescentar nada aos debates, entediando toda a gente à sua volta. O Jerónimo de Sousa consegue, há décadas, dizer sempre o mesmo independentemente do tempo que dispõe. (umas vezes mais, outras vezes menos, consoante os resultados das eleições). A deputada Isabel Moreira pinta as unhas nos debates. A produtividade da presença de cada um, depende da vontade e capacidade que têm, não do tempo.

O trabalho de um deputado vai muito mais além do que discutir para entretenimento popular. E o seu trabalho não mensurável pelo número de presenças ou ausências que constam na sua ficha mecanográfica.

É redutor e insultuoso que nos queiram passar um atestado de tolice, sugerindo que o melhor deputado é o que está de corpo presente em todas as reuniões plenárias.

Nós queremos é que apresentem trabalho, não a folha de presenças.

1377416.jpg

 




Brinquem com o vosso trabalho, não com o meu

img_1200x900$2020_07_09_19_15_22_956583.jpg

 

Ontem, durante um directo da CMTV, o repórter Paulo Jorge Duarte foi atirado a uma piscina por alegados membros da claque Super Dragões. O seu colega pivot, com quem estava em contacto, riu-se e disse que era uma brincadeira (ainda se desculpou dizendo que o repórter não estava a festejar com os portistas), os rapazes que o atiraram riram-se, nas redes sociais a partilha do vídeo foi viral e toda gente reagiu de forma animada. Houve quem ligasse o "atirar do microfone" de Cristiano Ronaldo, ao momento.
Mas será isto uma brincadeira adequada? Consentida já sabemos que não. O Paulo Jorge Duarte terá ficado contente por, muito provavelmente, lhe terem estragado o telemóvel? Não se terá assustado? E se não soubesse nadar?

Para mim, este episódio não teve piada nenhuma. Foi apenas mais uma demonstração de algo que já tendo sido denunciado em parte, há uns anos atrás, por cá continua a acontecer : o desrespeito por um profissão e por quem trabalha na área do jornalismo.

Parece que se tem como ponto assente que, especialmente em ambiente futebolístico, o repórter é alguém a quem se pode fazer tudo, um boneco, que tem de manter a postura em frente à câmara independentemente do que está a acontecer à sua volta. E como normalmente os abusos acontecem em clima de "brincadeira", vale tudo.

Há dois anos atrás, aquando do Mundial, os casos de desrespeito pelos repórteres ganharam algum mediatismo no caso concreto das mulheres. Estávamos em pleno período #MeToo e nasceu um outro hashtag relacionado com a problemática dos diretos em ambiente futebolístico, o #Deixaelatrabalhar. Os casos de repórteres apalpadas, beijadas, assediadas em pleno direto era chocante, e mais chocante ainda a reacção dos colegas em estúdio. Tal como no acontecimento de ontem, era rir e dizer umas graçolas.

Se nas mulheres o caso choca pelo asco que nos dá, ver símios excitados, em grupo, a perturbar o trabalho e a violentar as repórteres, o caso dos homens não deve ser tido como de menor gravidade.
Um repórter, um jornalista, é uma pessoa que está a trabalhar. Não é um brinquedo e não tem de permitir que lhe façam o que quiserem e manter-se impávido e sereno. Não é normal que todos achemos piada e muito menos os colegas de profissão.
Estranho imenso que ninguém fale no assunto com a seriedade que, a meu ver, merece.
Tentem imaginar que estão no vosso trabalho, e alguém que não conhecem, do nada, decide despejar-vos um balde de água fria em cima. Era só uma brincadeira?

A Autarquia sou Eu

Não há Oposição política em Setúbal. O Partido Comunista, sob a fachada de coligação CDU, governa a cidade à vontade e à vontadinha. A população tem a capacidade de análise política de "um quarto sem serventia de cozinha", pedindo um empréstimo mal empregue a Lobo Antunes pela expressão, fruto dos planos educativos pobres em formação cívica ministrados nas nossas escolas, temos gente que mal se governa mas que se deixa governar - mas essa não é uma característica afeta apenas aos setubalenses.

Maria-das-Dores-Meira-presidente-da-Câmara-Munici

 


Maria Dores Meira (e fosse ela ou qualquer outro) põem e dispõem na cidade, planeando obras com data de inauguração junto a eleições, comprando associações, perdão, apoiando associações e mantendo a participação cívica em níveis q.b. ao gosto do comité. Aparecem onde lhes convém, mostram o que querem e falam para quem gosta de os ouvir, mas sempre com uma estratégia de cobertura propagandística bem focada e empenhada. As redes sociais, o site da Câmara e das Juntas e até o jornal da cidade, são hoje boletins informativos dos "melhoramentos" que o Executivo Municipal efetua na vida dos seus munícipes.
A presidente que consegue aparentar as maiores incoerências entre o que defende e o que aplica na sua vida pessoal e profissional, e ninguém parece importar-se com o assunto. Temos um Partido Comunista com lugares privativos à porta, que liga imediatamente para o reboque assim que algum cidadão lá deixa o carro - quem os diria tão intolerantes à partilha?  E uma Câmara que exibe os melhores topos de gama para transportar a nossa Rainha de Copas.
Enquanto isso, os sem-abrigo e os pedintes proliferam, os setubalenses vão sendo empurrados para fora do centro da cidade pois não têm poder de compra para pagar rendas excessivamente caras e, os jovens qualificados ou aceitam empregos que não correspondem à sua qualificação ou veêm-se obrigados a tentar a sua sorte na metrópole - a câmara até participou no benéfico processo de redução do preço dos passes para facilitar este êxodo profissional.
Isto vem acontecendo não apenas pelo desinteresse da população, mas também pela incapacidade e inexistência de uma Oposição e pelo fraquíssimo jornalismo disponível.

Os partidos que se querem como alternativa ao PCP, têm uma mísera presença nas redes sociais, galgando um outro tema que a Câmara deixa passar "para fora" e escrevendo uns textos na comunicação social - pouco porque as redacções têm medo de ser mal interpretadas. O Partido Socialista, como fica sempre em 2º nas eleições, usufrui desse estatuto de Esquerda B e sonha vir a trocar com  PCP, ainda para mais depois dos últimos resultados nas Autárquicas a nível distrital. O PSD olha para Setúbal apenas como um trampolim para outros voos. Não pretendem ser alternativa nenhuma mas apenas ter a visibilidade suficiente para garantir eleitos nas Legislativas. O melhor exemplo disso é Nuno Carvalho, que tentou, primeiro nas Europeias e depois nas Legislativas, sair rapidamente de Setúbal. Lá conseguiu e agora empenha-se, com posts pagos por ele, em manter o lugar no Parlamento com uma máscara do Vitória e a falar no Sado cada vez que tem uma câmera para si virada.
Os restantes, PAN, BE e CDS, com poucos recursos vão tentando ter alguma visibilidade, mas pouco mais fazem que aparecer nas Assembleias Municipais. Com registo de uma maior dificuldade para o CDS, por Setúbal ser um daqueles territórios onde a ignorância relativamente aquilo que significa ser de Direita representa. Aqui, democratas são fascistas e comunistas são democratas.
Na sua maioria, estes partidos não compostos por gente que faça da política a sua principal atividade. Aliando falta de empenho e disponibilidade, temos um apertivo delicioso para quem governa. Não incomodam.


O jornalismo regional também não ajuda. Não sei se o cenário será igual por todo o país, mas aqui jornalismo regional significa noticiar o que a Câmara Municipal diz e faz, de preferência com um adejtivo ou outro para poder vir a almejar um apoio ou uma preferência. Limitam-se a receber comunicados de imprensa oficiais e a entrevistar membros do executivo. Salpicam com uma outra entrevista ao PSD ou ao PS e julgam estar completo o seu trabalho. É o jornalismo mais enfadonho possível: nunca dão uma notícia ou uma reportagem com verdadeira novidade. Que resulte de investigação, que mostre perguntas incómodas.
Ora se o Executivo de tudo faz para manter os restantes partidos na penumbra, fornecendo o menor número de dados e documentos possível, prefere que os cidadãos se mantenham na ignorância continuando a não informar e transmitir decentemente as sessões públicas, e se o jornalismo não escrutina, como é que se faz Oposição nesta cidade?
Basta ver, a nível nacional, como decorrem as sessões parlamentares para perceber quão complicado pode ser fazer-se Oposição. Os Governos não respondem às questões ou respondem de forma irritantemente evasiva. Atrasam a entrega de dados para que os outros partidos não tenham tempo de os analisar devidamente e agora até parece que já nem querem debater. Se assim é a nível nacional, onde são gravados, escrutinados e difundidos por todo o país, imagine-se a nível concelhio. Sem qualquer holofote e com a certeza de que a maioria das pessoas não sabe quem são os membros do Executivo e aquilo que dizem ou fazem.


É um ciclo vicioso e viciado que perpetua quem está no poder e, em última análise só prejudica a população que continua a achar que tem a melhor liderança de Câmara possível, mesmo não sabendo o que faz ,o que fez e o que poderia ou deveria fazer. A Oposição só existe para cumprir protocolo, assim como os jornais. E Dores Meira, que já prepara o seu futuro profissional e a sucessão para a cadeira do poder em Setúbal, continua passear-se como uma grande reformadora e bajulada como excelente governante. 




Rita Rato no Museu do Aljube

É no mínimo ofensivo. Uma comunista a dirigir o "Museu do Aljube Resistência e Liberdade", é o mesmo que dizer que temos alguém que defende ditaduras a dirigir um Museu contra ditaduras.

Não esqueçamos que o Parlamento Europeu, há muito pouco tempo, equiparou oficialmente o Comunismo ao Fascismo. Assim sendo, podemos ir mais longe e dizer que temos um Museu de Resistência ao salazarismo/fascismo dirigido por alguém que se identifica com uma ideologia equiparada ao fascismo.

Na notícia em questão, dizem que a ex-deputada se destacou nas entrevistas com o júri. Gostava de saber os critérios e de ter presenciado à entrevista. 

O Comunismo continua a ter cartão verde para se passear no nosso país, fingindo-se democrático. Alimenta-se destas coisas para se branquear e continuar a enganar os portugueses, falando-lhes em liberdade quando secretamente suspiram pela repressão. Um júri que não vê o que significa ter um comunista a dirigir um Museu deste âmbito, é um júri cúmplice do branqueamento de uma ideologia assassina.

cRACKSJI.jpg large.jpg

 

Direitas há muitas

Mas nem todas potáveis

O lado direito do parlamento tornou-se mais concorrido e "apertado" que nunca. Passou a contar com mais dois partidos (IL e CH) que passaram a ser vizinhos do CDS.
Mas desde o ínicio da legislatura, que todos eles têm tido registos muito diferentes. Isto, contando com o PSD - não por ser de direita, mas porque é onde direita envergonhada sempre gostou de votar. Com o inevitável devir, observando a atuação de cada um, podemos projetar com que direita se pode contar.

Partindo do princípio de que a estabilidade democrática necessária para o bom e "regular" funcionamento das instituições (não estou a falar de manutenção de vícios nem perpetuação dos erros de sempre), é feito e asegurado por forças políticas moderadas, sensatas disponíveis para o consenso mas com a coragem assertiva de apontar o erro, confrontando-o com soluções, atualmente temos de excluir dois dos quatro partidos que compõem a opção de voto do eleitor de Direita.

O PSD, liderado por Rui Rio, já deu a entender por várias vezes que não quer nada com este espectro político. Não quer conotações com a direita, não quer reformar nem incomodar mais que o que chegue para fazer uma notícia banal de telejornal. Aliás, ainda ontem tivemos (mais) um exemplo disso: São contra a ida de Mário Centeno para o cargo de Governador do Banco de Portugal, no entanto não farão nada para o impedir. Recusam-se a aprovar leis "ad hominem", e dizem-no achando que a patranha passa. Não é isso que impede o PSD de participar na elaboração da lei que poderia impedir a ida de Mário Centeno pata o Bdp. É o comprometimento que o partido tem, com escolhas anteriores, em que também já teria politizado o cargo, especialmente quando reconduziu "à força" Carlos Costa, pouco antes das famosas eleições da Geringonça. Outro motivo é a esperança que o PSD tem de voltar a ser Governo, e como tal não lhe convém a aprovação deste género de leis, reformistas e que melhorariam o funcionamento futuro das instituições.
De resto, Rui Rio não se tem poupado esforços a dizer que é um homem de esquerda, que o partido é de esquerda e que claramente apenas pretende dar a ideia de que o PSD é um PS 2, e que caso se enjoem do cor-de-rosa, podem tê-lo em laranja.

1388972.jpg

 

 

O Chega! também não constitui qualquer opção viável de futuro para Portugal. É um partido criado pelo ex-militante do PSD que, astuto, aproveitou uma moda política internacional ( populismo de direita) e importou o conceito para Portugal, onde este estava muito mal franchisado através do PNR. Com uma máquina de propaganda eficaz, alguns investidores motivados, tem conseguido imensa notoriedade e projecção nas sondagens. No entanto, um país não se constrói com soundbytes, não se reforma com gritos nem se potencia com despiques nas redes sociais. O Chega! é partido de reclame, que vocifera o que vai nas cabeças de quem se irrita em casa quando abre o telejornal. Infelizmente, acho que é unânime, em nenhuma situação da nossa vida, consideramos que falar e agir de cabeça quente ajuda. Esta é uma direita mal enjeitada, que se alimenta de todos os recalques, ódios e preconceitos e tem como núcleo principal da sua existência, ser uma anti-esquerda. Não dando conta que se coloca na posição de ser o seu espelho.

andre-ventura-760x380.jpg

 

 


Ficamos então, por exclusão de partes, com as duas últimas opções que, na minha opinião, são as mais consistentes, coerentes e capazes de representar um futuro para a Direita em Portugal. O PP e a IL.

A IL, apesar de ser uma análise precoce, tem feito um percurso coerente e moderado, encabeçado pelo seu presidente e deputado Cotrim Figueiredo. Aposta no combate ideológico mas com recurso a argumentação sustentada em factos e não em impulsos e emoções. Apresenta soluções que vão ao encontro da sua índole liberal (ainda que não totalemente liberal) e já definiu o seu público alvo: os jovens. Aliás, quem estiver mais atento pode notar que é rara a posição pública do partido que não mencione os jovens. Pode ser fogo de vista, querendo aproveitar o target, ou pode mesmo querer dizer que querem apostar nesta franja da sociedade, com propostas concretas. O tempo o dirá.
Cotrim Figueiredo não caiu na individualização, comum em partido micro, com que Joacine caiu em desgraça ou com que Ventura tem caído em graça. Mantém-se com o destaque q.b. confrontando quem tem de confrontar e perguntando o que tem de perguntar. A mensagem vai passando de forma relativamente eficaz nas redes sociais e em outdoors criativos pelo país. Não se recusam a entrar em campos liderados pela esquerda, como a luta dos direitos lgbt ou a legalização de drogas leves, ainda que coincidam com posições do Bloco de Esquerda, o que não agrada propriamente ao eleitor de Direita conservador ou pouco habituado a este espírito tão liberal. 
Transmitem uma imagem responsável, serena e acima de tudo não socialista.

ng3360004-1060x594.jpg

 



Por fim, o CDS-PP, agora presidido por Francisco Rodrigues dos Santos. Este jovem líder, apontado pela Forbes como um dos 30 jovens mais promissores da Europa, deu o salto da Juventude Popular para o a "equipa A". Trouxe consigo muitos dos seus colegas da jota, mas soube conjugar também experiência colocando na sua equipa membros mais experientes e conhecidos do partido. Foi inicialmente conotado com André Ventura, por serem famosos os seus discursos inflamados e as suas posições enquanto líder da JP, acerca por exemplo, do casamento homossexual. A comunicação social não foi meiga com o recém chegado à "política dos graúdos" como diria MST, e começaram por acusá-lo de ter poucas mulheres na comissão executiva, tentando mais uma vez colá-lo a um lugar de machista. Isto num partido, que vinha sendo liderado por uma mulher até então. Também houve o caso de Abel, o polémico centrista bafiento era nitidamente uma nódoa na equipa de FRS e por pressão da comunicação social, saiu.
Passados estes primeiros episódios, o CDS-PP tem mantido uma linha de oposição responsável e moderada. No Parlamento, com as prestações de qualidade especialmente de João Almeida, Cecília Meireles e Telmo Correia, mas também na rua. Francisco R Santos tem levado à letra o mote de Portugal ser o seu escritório, como diria durante a campanha para liderança do partido. Apesar de ser o mais novo, dos líderes à direita, tem-se revelado o mais ponderado nas posições. Tome-se como exemplo a questão do racismo onde, Rui Rio e Ventura tiveram a triste ideia de dizer que não há racismo em Portugal. O líder do CDS-PP não cavalgou a mesma onda, ainda que em setores menos aconselháveis do partido, isso agradasse. Por agora, há um jovem líder que se tenta aproximar do país real. Outra vantagem do PP é que tem quadros que garantem a continuação de boas lideranças - João Almeida não desistiu de querer liderar o partido e Adolfo Mesquita Nunes tem dado claros sinais de se preparar para assumir essa vontade.
Fosse Portugal outro e não tivesse os preconceitos que tem com a Direita, e este seria o partido que naturalmente rivalizaria com o PS, como acontece em países como a Alemanha, Espanha ou Reino Unido.

104267215_3280439935355858_3834241869112933396_n.j

 



Logicamente que estas divagações, são leituras próprias e que não terão, provavelmente, ligação ao que estará por vir politicamente em Portugal, e muito menos ao que a maioria pensa. No entanto, é a visão que tenho.
A Direita em que se pode confiar, no momento em que vivemos, está na Iniciativa Liberal e no CDS-PP. Vivemos tempos de insegurança e incerteza, precisamos de serenidade e responsabilidade. Não de gritaria e show-off ou de mais socialismo.

Blue could be the warmest color.


Para recordar - a visão de João Galambra acerca do Banco Alimentar contra a Fome

Quando raspas um socialista, também sai um velhaco

Da próxima vez que levarem o saquinho do Banco Alimentar, ajudarem um velhote a passar a estrada ou pensarem em dar uma moeda a um mendigo pensem no quão prejudicial é o vosso ato para a construção de extraordinário Estado Social.
É assim que se distinguem os grandes vultos da História: pensar mais além, propormo-nos a objetivos maiores. Alguns mortos por fome não podem ser impedimento para o objetivo final - O Estado Social que se pretende atingir. Que chegue a todos e para todos. 

IMG_20200526_165221_861.jpg

 

Manuel Moisés

Separar as águas para não ir a lado nenhum

O CDS anunciou com pompa e circunstância o regresso de Manuel Monteiro, ex-presidente do partido. Muitas eram as almas que já suspiravam pelo seu regresso, como se isso viesse realmente acrescentar algo ao partido.

Um "regresso a casa" diz-se. Resta saber com que propósito, pois o MM é capaz de ser um forte acrescento à Tendência Esperança em Movimento de Abel Matos Santos, que muita pouca esperança dá ao partido.

E para dar prova de que continua o mesmo Manuel Monteiro de sempre, já deu uma belíssima entrevista da qual, bem espremido, só se aproveitam as propostas que considera que um verdadeiro liberal faria - relativo aos descontos e ao direito sucessório.

mw-860.jpg

 

De resto, um conjunto de banalidades como se esperava de um professor doutor da Lusíada.

Destaque para o apuramento do "pedigree" da Direita: O Manuel veio tal e qual Moisés fazer a revelação do que é uma "verdadeira" direita, e declara categoricamente que defender coisas como casamento entre pessoas do mesmo sexo ou a eutanásia, é de uma direita que não leva o selo de autenticidade do dr.

Acabadinho de entrar em jogo, já demonstra ao que veio. E não é para unir ninguém no CDS.