Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

RUISB6_Y.jpg medium.jpg

Passam 4 anos exatamente hoje, da tragédia que ocorreu em Pedrogão Grande. Esse terrível verão, que quanto mais tempo passa e nos recordamos da quantidade de pessoas que morreram de uma forma excruciante, mais nos apercebemos que ainda hoje não foi dada a devida importância ao acontecimento. E quando ainda hoje lemos nos jornais, ou nos sites dos jornais por assim dizer, que continuam a existir pessoas a quem não lhes foi reposta a sua habitação ou que a floresta voltou a regenerar sem que se tivesse feito nada no âmbito do seu planeamento para evitar novas catástrofes, confirmamos que a palavra vale pouco neste país.

É de palavras que é feita ação deste Governo, no que toca à reacção aos incêndios de Pedrogão. Não vale a pena voltar a insistir que não há nada melhor que prevenção porque isso já todos sabemos que não se faz. No entanto, se poderíamos fechar os olhos a uma falta de prevenção para acontecimentos inéditos, não o podemos fazer quando o comportamento se mantém igual após um chocante episódio de impreparação no socorro dos nossos.
Ao menos que pudéssemos contar com a postura portuguesa tão bem resumida no velho ditado "casa arrombada trancas à porta" . Porém, nem isso se verifica neste caso. Uma centena de mortos, da forma mais horrenda que se pode imaginar, não são suficientes para vermos da parte do Governo um empenho inequívoco na restituição do pouco que tantos perderam e na preparação para que nunca mais voltem a passar pelo mesmo.

Estes momentos, apesar de duros, podiam também servir de aprendizagem. Infelizmente, como disse acima, repetem-se as mesmas lenga-lengas e segue o baile como se nada fosse. Exemplo disso são os tuítes do deputado Miguel Costa Matos, hoje no Twitter.
O jovem parlamentar escreveu na sua conta pessoal "4 anos. Não esqueceremos. Que não deixemos que se repita."
Quem lê estas frases, podia pensar que este não é um deputado do partido que Governa. "Que não deixemos que se repita"?! É uma prece? Um desejo? É de desejos que se valem os deputados?
Não queremos pedidos lançados ao ar e publicados nas redes com ideia de que geram alguma aparência de empatia com os que sofreram. Essa empatia é demonstrada com ações, e no caso do Partido Socialista e do Governo que este partido comanda, a falta dela é atestada pela sua inação face ao sucedido. 4 anos depois ainda há gente sem casa?! De que lhes serve que digam "Não esqueceremos"? Como é que podem estas gentes voltar a confiar nas autoridades?

a-sOTsuu.jpg medium.jpg

Estas palavras escritas pelo deputado são também resultado daquilo que o PS pretende para Portugal. Cada vez mais vivemos num sistema de Estado-Partido. Em que o PS é o Estado e a autoridade omnisciente e acima de todos. Olham para nós e veêm figuras manipuláveis, subornáveis e subordinadas. Contam-nos as histórias que entenderem para reescrever o que não lhes der jeito, escrevem frases como estas do deputado Miguel, dando um ar de que não tem culpa no que aconteceu e de tudo o que podiam fazer foi feito.
Ignoram a crítica, a oposição, mas sobretudo ignoram a realidade de quem sofre. 4 anos depois, em Pedrogão, o Governo conseguiu que já ninguém lhe pedisse contas pelo que não fez, que o escândalo na atribuição de casas passasse impune e que hoje os deputados façam figura de anjinhos que pedem ao divino para que não volte a acontecer.

 

Cruzei-me há pouco tempo, virtualmente, com um trecho de vídeo de campanha do candidato a Secretário-Geral da Juventude Socialista, Miguel Costa Matos. Fazendo a minha própria pesquisa pessoal, dentro das limitações de um usuário normal de internet, posso resumir a conversa deste jovem em uma palavra: embuste.

É o mais jovem deputado na Assembleia da República e agora quer liderar a juventude partidária do Partido Socialista. Porquê? Porque diz que é "Tempo de Agir", porque considera que os sonhos dos jovens estão novamente em perigo.

índice.jpg


Novamente? Mas deixaram de estar em algum momento, Miguel?
Ele acha que sim, e explica no trecho que vi, que em 2015 "virámos a página da austeridade". Como assim, virámos? Está o Miguel a copiar a retórica do Primeiro-Ministro e a querer dar a entender que o PS nos salvou do malvado Passos Coelho, personificação da austeridade?

Tão jovem e tão bem alinhadinho, o Miguel na verdadade pode referir-se ao que quiser quando diz "Virámos", menos a ele próprio. É que o candidato a secretário-geral da JS, não estava em Portugal nessa altura...

Pois é, Miguel Matos conta, no seu blogue pessoal, que entre 2013 e 2015 andou a brincar aos clubes de política no Reino Unido, junto do Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn. Ele na verdade não faz ideia do que foi viver a crise.

Mas se ao ler isto acha que estou a ser injusto, explico-me melhor : Ele não faz ideia do que é viver em crise, nem faz ideia do que é viver no mundo real de um jovem português.
Não sou apologista de que nascer num ambiente familiar privilegiado tenha de ser um handicap para se poder fazer algo pelos que não tiveram a mesma sorte, mas com o Miguel torna-se difícil contornar alguns factos da sua vida e contrapô-los com o seu discurso.

O jovem prodígido do PS, que chegou ao Parlamento tão novo e não quer ver corrompidas as expetativas dos jovens, seja de que contexto for, passou a maioria da sua idade juvenil numa autêntica bolha anti-pobres.

Entrou aos 4 anos para o colégio mais caro do país, o St.Julians, onde um ano de matrícula ronda os 10,000,00€, e saiu apenas aos 18.
É portanto compreensível, que tendo passado a juventude a observar tanta miséria e dificuldade à sua volta, tenha decidido fazer algo! E esse algo passava somente por se inscrever no partido mais parasita do sistema.

É portanto compreesível, que tenhamos de gramar com o Miguel a falar de oportunidades para os jovens, pois ele sempre teve imensas dificuldades para singrar. Deve ser mera coincidência, ter conseguido ir parar ao Parlamento tão novo.

8d66eb17bb7d02ca4856ab443a78f2148cafbb129f58a3c812


Por último, detetei um laivo de honestidade no jovem socialista, quando ontem escreveu um tweet e se descaiu. Ele tem o seu público-alvo bem definido: São os jovens cosmopolitas... Tal como diria Mário Lino, o resto é deserto.

O Miguel Costa Matos representa com exímia distinção a esquerda caviar portuguesa. Não são do povo, não têm nada a ver com o povo, não sabem como vive o povo, mas têm imensas postas de pescada para atirar sobre como é que vão salvar o povo.

Este é daqueles socialistas que cheiram a Bloco de Esquerda - bem pensantes, bem falantes, sabem como resolver tudo sem conhecerem nada, a apartir dos seus sofás, num T4 em Lisboa oferecido como prenda de aniversário.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub