Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

É em momentos de crise que as desigualdades hipertrofiam e ganham o destaque que, feliz ou infelizmente, não tiveram até se chegar ao momento em questão. Os mais vulneráveis são notoriamente mais afetados aquando da rabanada de ventos da fome e do desemprego. Esse "fenómeno" ganha proporções golianas quando aquela que devia ser, pelo menos, uma franja minoritária da população, não é.

Hoje acordámos todos com as notícias oriundas da zona caribenha, de que em Cuba a população saiu às ruas para se manifestar contra o Governo, na sua segunda grande manifestação desde 1994. Escrevem os jornais, que o que potenciou este grito coletivo de ajuda, foi a crise pandémica, que tal como em todos os países do mundo apertou com os mais fracos.
Acontece que Cuba é um desses casos, em que a franja mais vulnerável da população é na verdade, a maioria. À semelhança do que acontece noutras ditaduras, por vezes são necessários apertos excepcionais para, por desespero, dar coragem ao povo para enfrentar o ditador e os seus cúmplices.
Anos de miséria do povo cubano que foram mantidos sempre num lume brando de estabilidade passivo-agressiva entre governo ditatorial e população, podem ter encontrado finalmente um ponto de ebulição.
Os cubanos sairam hoje à rua, disseram Basta!, pediram liberdade, pediram normalidade. Espero sinceramente que daí surja uma viragem pacífica de regime. As pessoas querem ser donas de si, estão fartas de estar subjugadas aos desvarios de uns tiranos que fingem falar em nome do povo.

Este género de acontecimentos devem servir de exemplo e de lição, deviam ser mostrados à nossa juventude, para que entendam de uma vez por todas que o comunismo não é uma ideologia "cool" de libertação dos pobres e oprimidos. É uma patranha contada vezes e vezes sem conta, e que tem gerado muito sofrimento e miséria. Ser comunista não é ser democrata. É preciso que também o povo português que confia as suas terras aos comunistas (na qual a minha terra também se inclui), perceba isso.

Somos afinal apologistas de Cubas ou de liberdade?

external-content.duckduckgo.com.jpg

 


Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub