Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

The Pólis

  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

  • O povo tem de ensinar uma lição ao PCP

    ErZVFcDXEAEvwaq.jpg

    A campanha eleitoral para as presidenciais começou ontem (oficialmente) com o PCP a começar tão mal como terminou o ano 2020.

    A organização de campanha de João Ferreira, realizou um comício no Coliseu do Porto. Centenas de pessoas num espaço fechado, um "ajuntamento", protagonizado mais uma vez por um partido com responsabilidades sobre as nossas vidas.

    Experienciamos o momento mais crítico da crise sanitária no nosso país, com o número de infetados a aumentar a um ritmo de 10 mil casos por dia,  colocando em risco o colapso do sistema de saúde. Os comunistas, que o querem tanto defender, em vez de darem o exemplo, em vez de se solidarizarem com o esforço anunciado que teremos de fazer de novo de confinamento, optam por fazer uma demonstração de força.
    Depois do Avante, depois do Congresso, o Partido Comunista Português volta a contribuir para que as pessoas achem que os políticos são uma cambada de privilegiados, irresponsáveis que apenas se interessam por eleições.

    Há crianças e jovens que todos os dias têm aulas de janelas e portas abertas, porque cerca 30 pessoas numa sala de aula é demais. Há idosos que não contactam as famílias há meses, para não falar nos que estão internados e a quem apenas permitem visitas se for para se despedirem.
    Pais com dificuldades para pagar as contas porque a oscilação dos números de infetados é também a oscilação de abertura e fecho dos seus sustentos.

    Nada disto toca o coração dos comunistas, que investiram forte e feio nesta campanha presidencial, e que nos dizem, ao realizar mais um ajuntamento num momento crítico: "Vão-se lixar! Vão-se lixar que nós não orçamentámos 450 mil euros para agora cancelarmos as ações de campanha só porque vocês, as vossas famílias, os vossos amigos e conhecidos andam a sofrer, a endoidecer ou a morrer. Têm de ficar em casa? Problema vosso. Inscrevam-se num partido e venham disfrutar da liberdade de poder fazer tudo o que nos apetece, quando nos apetece, sem consequências."

    Por 3 vezes o PCP já nos faltou ao respeito descaradamente. 3 vezes em que se dizem acima dos restantes portugueses, 3 vezes em que se estiveram a lixar para nós.
    Este ano existem duas eleições: Presidenciais e Autárquicas. Nós, o povo, temos de de lhes ensinar que a merda que fazem tem consequências. Que sem nós não são ninguém. Antes de lutarem pelos poleiros, lutem por nos conquistar. Nas próximas eleições espero que tenhamos a capacidade de castigar e reeducar os comunistas. De lhes dar uma lição de humildade. Que o desprezo pelos mortos e infetados lhes custe muitos votos, é o meu desejo fora de horas para 2021.


    PS: Também ontem foi noticiado que o candidato que realmente vem do povo, o candidato que menos dinheiro tem para gastar em campanha e que tem sido renegado pelo "sistema", teve a humanidade de cancelar as ações de campanha durante o período de confinamento dos portugueses. Este percebe que tem de ser solidário connosco.

    Uma criança e um idoso

    Uns desmarcam o que nunca esteve marcado, outros recusam-se a desmarcar o que nunca devia ter sido m

    crianca_e_o_idoso.jpg

     


    Há quem diga que quando se chega à idade anciã, ao estuto de idoso, à imagem de avô, mais tarde ou mais cedo nos reencontramos com a criança que há em nós. Quem dedica parte do seu tempo a cuidar dos idosos também muitas vezes apresenta o lugar-comum de que a velhice é uma segunda infância.

    A criança e o idoso partilham, nos seus piores dias uma teimosia injustificada de mão dada com a rabujice proporcionalmente inversa à sua paciência. Ambos querem o que querem agora e não daqui a dois minutos. E sabem muito bem o que querem e para quê. Só não sabem justificar quando são confrontados com um possível comportamento avesso ao que seria de esperar de alguém com plena racionalidade.

    Depois de ficar a achar que este texto é sobre idosos e crianças, vou agora encaminhá-lo ao objetivo do texto: transpor esta pequena divagação para a nossa criança e idoso do sistema partidário português.

    E porquê? Porque encaixa perfeitamente no que aconteceu a semana passada e ainda está para a acontecer.
    O Chega e o Partido Comunista, fazem as honras de vestir os papéis de criança e idoso, respetivamente. Um partido com cerca de 3 anos e outro com, alegadamente, quase 100, decidiram que deviam organizar os seus Conselhos e Congressos presenciais, nesta altura.

    Agora, que estamos a bater recordes diariamente, de infetados e mortos, ambos os partidos acharam por bem reunir vários militantes no mesmo espaço.
    Tal e qual uma escolha irrefletida de uma criança ou de um idoso, estes dois partidos com assento parlamentar, escolhem marimbar-se para os mortos e infetados e arrepiar caminho entre as mais básicas recomendações de combate à covid-19: se puder evitar ajuntamentos, evite.

    A criança (Chega), na realidade, ainda se está a perceber se realmente tinha alguma coisa organizada, ou se apenas quis fazer a figura de partido que responsavelmente cancelou o seu Conselho Nacional. Já vimos anteriormente que há alguém naquele partido que orquestra habilmente os meios de comunicação social a favor do Chega. Não são de todo descabidas as suspeitas de que apenas, mais uma vez, jogaram com uma situação séria, para sairem bem na fotografia. Só que para azar deles, os Bombeiros de Sintra, proprietários do local onde supostamente aconteceria o ajuntamento do Chega, decidiram intervir e revelar que nunca foram contactados para a realização de nenhum evento.

    Se já tinha ficado mal a ideia de que tinham criticado o Congresso do PCP, mas iam ao mesmo tempo realizar o seu próprio evento, ainda pior fica, sabermos que mentiram deliberadamente apenas para obterem atenção da comunicação social. Infelizmente, há público para tudo, e há de haver quem tenha achado muito bem este cancelamento do Conselho Nacional, ainda que haja esta hipótese de nunca ter sido sequer marcado.

    Já o nosso idoso, capricha mais na rabujice. Depois da irresponsabilidade do 1º de maio e do desplante do Avante, os nossos comunistas de bolso insistem em realizar o seu Congresso.
    Chegam mesmo os militantes e dirigentes do PCP a defender-se com argumentos patéticos como "os direitos políticos não estão suspensos", "com os milhares de pessoas que andam nos tranportes ninguém se preocupa" ou "querem cancelar a atividade política do PC desde a sua fundação".

    O PCP, com cerca de 100 anos, não consegue ainda lavar a ideologia da cara, e ver o que se passa à sua volta. Ver que isto não é sobre eles, que ninguém está a engendrar nenhum plano maquiavélico para que não possam juntar-se num pavilhão a repetir o que já dizem desde que foram fundados como se fosse ontem.
    Ver que é exatamente pelas pessoas que todos os dias, por necessidade, têm de se colocar em perigo para garantir o sustento da sua família, que eles deviam adiar o Congresso. Pois estas pessoas colocam-se em perigo porque precisam, eles estão a colocar-se em perigo por teimosia.

    Os nossos comunistas continuam a não perceber o que se passou no Avante e continuam a invocar outros eventos - Fórmula 1, Teatros, Concertos - para justificar a sua afronta ao sofrimento dos portugueses. Primeiro, não se justifica uma má ação com outra má ação. Segundo, os organizadores da Fórmula 1, dos Teatros e dos concertos, não foram eleitos pelos portugueses para terem uma palavra a dizer na governação do país.
    A gravidade entre uma empresa querer ignorar as recomendações de combate à pandemia não é sequer comparável à de um partido político fazer o mesmo. Porque não partilham das mesmas respnsabilidades, do mesmo papel, na sociedade. Mais caricato é que seja o partido comunista, que tanto combate a influência das empresas, a querer colocar-se no mesmo patamar que estas (Fossem mais espertos e tinham um excelente argumento para vilipendiar ainda mais os privados). Isto é tão simples, que só um velho senil, como o PCP não consegue compreender.

    Segue, Segue, Segue

    Há um sketch dos Gato Fedorento, "Matarruanos dão indicações", em quem uma automobilista se aproxima de um senhor, um matarruano, e lhe pede indicações para o Centro Cultural. O indivíduo, muito prestável, dá-lhe as indicações: "(...)vai recto, apanha um caminho para a direita, não vira! Apanha um caminho para a esquerda, não vira!(...)". Nisto, um segundo matarruano que está a passar e se apercebe de que o seu conterrâneo está a dar direções para o Centro Cultural, decide intervir porque notou que estavam erradas. Ficam então os dois a dar indicações contraditórias sobre como chegar ao mesmo sítio. O sistema repete-se com um terceiro e um quarto matarruano. A automobilista fica a ver os quatro homens a digladiarem-se com diretivas contrárias uns aos outros, tentando superiorizar-se no volume, durante uns minutos até que desiste e decide arrancar com o carro sem querer saber das indicações de ninguém.
     
     Por os Gato Fedorento terem sido uma constante durante a minha adolescência, existem inúmeras situações que me remetem para os seus sketches. Este em particular, surgiu-me à memória quando refleti sobre a panóplia de indicações, contra indicações e falsas indicações que nos têm sido transmitidas até hoje, acerca da pandemia de covid-19. Quem não conhece o vídeo, aconselho a visualização e experimente colocar a população portuguesa no lugar da pobre automobilista e no lugar dos matarruanos o Governo, os partidos, o Presidente da República, a Ordem dos Médicos, a Ordem dos Enfermeiros, os virologistas, os comentadores. Pode imaginar mais uns quantos matarruanos para representar os negacionistas do Qanon, em forma de Médicos e Jornalistas "pela Verdade".
     
    E nós, sentados no carro, de olhos trocados e já com pouca paciência para conspirações das máscaras, restrições à circulação que são apenas recomendações ou dos mesmos avisos desde março de que a situação via piorar, acabamos por "arrancar". Uns escolhem ouvir apenas fontes oficiais, outros enveredam pelas conspirações e uns terceiros desistem de ouvir quem quer que seja e decidir tudo à sua vontade.
     
    Quando as autoridades de saúde não conseguem ser a voz que se destaca no meio de todas as outras, quando o governo revela desgoverno nas orientações à população, a tarefa de diminuir o nº de infecções torna-se hercúlea. O Ministério da Saúde está descredibilizado, Marta Temido não inspira confiança a ninguém a não ser à Cristina Ferreira - que dá festas "de arromba" em casa sem uma única máscara à vista.
     
    A crise pandémica parece ainda ter muitos episódios por vir. Atrás, como já vem sendo previsto há uns meses, virá a crise económica que afetará com mais intensidade, como sempre, as famílias desfavorecidas, os jovens que pretendiam ingressar no mercado de trabalho, os pequenos empresários.
    Felizmente poderão contar com a esquerda que, vendo uma crise à vista, terminou o seu estado de oposição em layoff e aplicou a necessária distância de segurança do Governo. A partir do próximo Orçamento de Estado (OE) já podem fingir (ainda mais), que não tiveram nada a ver com o que não foi feito até hoje, que não têm culpas no desinvestimento do SNS ou da Educação. A proposta de OE para 2021 passa agora a comprometer os objetivos da Geringonça, que eram sorrir e acenar quando apareciam medidas populares, e fingir-se de morta aquando das medidas mais mázinhas.
     
    Citando uma célebre deputada do Bloco de Esquerda, eleita pelo distrito de Setúbal, para descrever o comportamento dos parceiros do Governo: "como é que se chamam aqueles animais que rondam a área à espera de uma morte para se alimentarem?". Estes já se estão a colocar em posição. 

     



     

     

    "Fazer publicidade de caridade é esquisito para todos"

    A frase é de um sacerdote de Oeiras e foi proferida a propósito de uma iniciativa do CHEGA, que ofereceu produtos de higiene básica a um lar mas "esqueceu-se" de informar que o ia fazer em âmbito institucional - ou seja para poder publicar nas redes sociais. Ao que parece o sacerdote mão gostou e declarou sentir-se enganado, proferindo a sábia frase para quem mais tarde o entrevistou.

     

    Não é uma prática inédita, muito menos original, no entanto a frase tem-me ecoado na cabeça sempre que, durante este período de crise pandémica, leio uma notícia deste cariz. Alguma universidade que ofereça três pares de alcóol gel e têm alguém de posar sorridente com os frascos na mão. Algum café que decide fazer umas refeições para oferecer aos enfermeiros do Hospital X, e lá vão todos juntar-se na fotogénica meia-lua com as embalagens na mão.Em linguagem adolescente contemporânea, que "cringe"! 

     

    Em Setúbal, tenho verificado também, como seria de esperar, este triste fenómeno:

     

    autarcasajuda.jpg

    Para entregar uma caixa de alimentos, são necessárias três pessoas: uma para tocar a campainha (imagino que seja a pessoa que realmente costuma fazer o trabalho), o presidente da junta para "surpreender" (infelizmente reforçam o preconceito de qe os políticos não fazem nenhum e por isso é que surpreendem) sorridente com a caixinha na mão e, claro, o fotógrafo de serviço, a captar o momento. No fundo, o presidente não vai apenas entregar uma caixa de alimentos a um freguês, vai entregá-la a toda a gente que o segue nas redes sociais.

     

    Mas o caricato (cringe) mais desconfortável dos últimos dias, foi para mim este:

    93246065_2919837278101560_7215254318058831872_o.jp

    92347921_2919836968101591_7599403769335382016_o.jp

    92444179_2919836448101643_1180347928808521728_o.jp

     

    A Casa Ermelinda Fretias oferece, e bem, uma enorme quantidade de alcóol gel à Câmara Municipal de Setúbal, para que o distribua conforme seja mais necessário. Qual é a primeira coisa a fazer?

    Colocar cuidadosamente, garrafão a garrafão, quiçá sobre orientação do decorador-môr do reino João Maria, em grupos de formação triangular e com os respetivos selos todos virados na mesma direção. Depois, toda uma comitiva dos bombeiros e da Protecção Civil têm de aguardar que a Sra. Presidente vista o seu brilhante colete (dá um ar de maior preocupação e envolvimento) e dê umas palavras para a câmara de filmar que um funcionário trazido para o efeito manobra. Findo o registo, há que iniciar todo um Book fotográfico, com todos os presidentes de junta, em pose junto aos garrafões - como se o mérito de terem aquele material fosse de alguma forma daquela gente - e depois claro, o carregar dos garrafões e repare-se que, na galeria publicada no Facebook oficial, cada presidente de Junta tem uma foto em que aparece sozinho, a carregar garrafões (mais uma vez têm de dar um ar de que fazem alguma coisa e mais uma vez é tão forçado que só reforça preconceitos) para que possam também eles publicar nas suas redes sociais. 

     

    Agora imagine-se todo este arraial cada vez que ha uma doação de material neste país. O tempo que perde e se desaproveita, com Bombeiros, Protecção Civil e outros funcionários acionados para colaborar nesta fanfarronice. Triste fadinho e triste (para não dizer ofensiva) gestão de prioridades em tempo de crise.