Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

The Pólis

Aquele avô bêbado que temos lá em casa

Foi o tema de muitas conversas ontem, os trechos da intervenção de André Ventura em Portalegre, noticiados na comunicação social. O candidato do Chega (CH), tratou de deixar bem claro que estas eleições presidenciais servem para solidificar a implantação do partido e que o principal objetivo é melhorar o resultado das legislativas.

O pior veio a seguir, quando começou a disparar para todos os lados, de forma infantil e jocosa. Disse que o João Ferreira era um operário "beto", que o Presidente da República parecia um esqueleto, que o batom vermelho da Marisa Matias não é muito bom para a imagem de uma presidente e, finalmente, que o Jerónimo de Sousa é como "aquele avô bêbado que temos lá em casa".

trump-shadow-lg.jpg

 

Não sei que avô é que o André Ventura tinha na sua família para achar que ter um avô bêbado em casa é algo generalizado na população portalegrense. Sei sim que o presidente do CH quer ser o Trump português e estes insultos fazem parte dessa tentativa de o ser.

Essa tentativa, não assumida (no debate presidencial com Ana Gomes, Ventura mostrou-se perplexo pela socialista ter dito que ele era fã de Trump), é confrangedora e até pateta. Quem não tenha o hábito de acompanhar as notícias via TV, acerca da política norte-americana, onde logicamente Donald Trump foi figura pincipal nos últimos quatro anos, talvez não note. Os gestos, (o indicador levantado com a palma da mão virada para a frente p.ex) enquanto fala, muito pouco naturais como é de esperar numa imitação amadora. A roupa, como o sobretudo escuro e comprido com uma gravata enorme no meio. As expressões, "o pior da história", "o mais grave de sempre", cheio adjetivos superlativos, que são também das coisas que mais nos fazem soar o alarme de imitação relativamente ao presidente americano. E por último, o estilo bully, de constante ataque e ofensa infantil aos adversários, com o objetivo de os ridicularizar, que se materializa na criação de alcunhas ou, por exemplo nos debates, com a recorrente interrupção e interpelação chamando-os de mentirosos.

Pego agora numa dessas alcunhas, a do "camarada de plástico", que acho que assenta muito melhor em André Ventura. O plástico a que me refiro não é o plástico útil que utilizamos no nosso dia-a-dia, é o plástico que imaginamos quando falamos na comida fast-food. A estratégia do CH e do seu presidente, é servir-nos política de entretenimento, uma política de plástico para consumo imediato. Ventura vai acabar por conseguir ter o seu lugar na história da política portuguesa, mas sem qualquer traço de autenticidade.

A direita que agora se encanta muito com este partido e este homem, porque confunde ofender a esquerda com combater a esquerda, anda atrás de um imitador, um ator, que se engana a ele e aos outros para existir. Este exercício pode agora ter resultados muito interessantes, ou até não porque as sondagens são o que são, mas a médio longo prazo, trará consequência enormes para o espaço político da direita.

Por andarem embevecidos com um estilo que personifica a caricatura que fazem da direita, os militantes desse espectro ideológico iram cunhar a caricatura como retrato fiel e nunca mais se verá a mesma como uma alternativa sólida, capaz de ocupar o poder em que seja apenas para castigar a esquerda.

A direita que se comporta como o "avô bêbado", destrói aos poucos a sua casa, numa ilusão de afronta aos poderes instalados e de combate ao socialismo. Não se apercebem que o maior favor que fazem à esquerda é exatamente este, o de se comportarem como a esquerda sempre os adjetivou.

"Lá fora", existem bons exemplos dos benefícios de uma direita decente, que se paute por valores morais e éticos, que não se limita a adjetivar negativamente os adversários, apresentando-se com soluções úteis, responsáveis e claras.
Na Alemanha receia-se o fim da liderança de uma internacionalmente consolidada estadista de direita, Angela Merkel (porque a própria não pretende voltar a recandidatar-se). Em Espanha, o Partido Popular, de Pablo Casado, continua a re-conquistar os espanhóis, tendo colocado no lugar a extrema-direita do Vox e fazendo oposição séria aos socialistas de Sanchéz e comunistas de Iglesias.

"Cá dentro", esta direita não está a saber comunicar, a saber vingar, a saber mostrar as diferenças entre ela e a direita trauliteira, entre ela e a esquerda oligarca.  Veremos o que nos reserva o futuro, mas a direita do "avô bêbado" eu dispensava.

"Chicão" esteve bem, os manifestantes nem tanto

Ontem o presidente do CDS-PP decidiu ir ter com os manifestantes do movimento "a Pão e água", que se instalaram em frente à Assembleia da República há dias, e que alegadamente estão em greve de fome.

image.aspx.jpg

 


Sobre o episódio não há, na minha opinião, muito a dizer. Um representante de um partido contactou com população descontente. Contado assim, qualquer pessoa poderá ter um de dois pensamentos imediatos: 1 - se os manifestantes queriam falar com alguém com responsabiliade política, tiveram ali uma oportunidade. O pólítico fez o que era suposto e foi ouvir as suas justas reclamações. 2 - o político quer aproveitar a manifestação para retirar dividendos políticos, "pontos" junto do eleitorado (ainda para mais vem do partido que aparece sempre mais prejudicado nas oraculares sondagens).

Eu tenho ambos, misturados, porque acho que é o mais sensato. É óbvio que qualque político que vá falar com a população, ainda para mais população descontente com o partido adversário, pretende ganhar pontos com isso. E não é igualmente óbvio que os políticos têm (idealmente) obrigação de nos ouvir?

Houve quem achasse muita graça, e até criticasse o líder do CDS, por ter tentado falar com os manifestantes e Ljubomir tê-lo aconselhado a parar de falar em partidos ou corria o risco de ser expulso.

Portanto, ignorando as intenções estratégicas das críticas de alguns dirigentes partidários, parece que há gente que prefere políticos que ganham pontos junto do eleitorado sem contactar com este.
E se formos atrás das sondagens, instrumento pelo qual nutro algum desprezo, quase que comprovamos esta tendência. É surpreendente que por exemplo, um partido como o PAN suba nas sondagens, sem nunca sairem dos gabinetes. Sem nunca contactarem com população. Fazendo política apenas para os lisboetas.
É surpreendente que Rui Rio e o PSD se aguentem há tanto tempo na melhor posição das sondagens, sem se mexerem, fazendo política no Twitter.
Em sentido contrário, o líder do CDS, que vai falar com os manifestantes, ou que tem percorrido o país em contacto com a população, é o mais prejudicado em sondagens.

Mas recuperando o foco no episódio da manifestação, reprovo o discurso mal preparado para os manifestantes, reprovo a notória falta de pragmatismo e deficiente assessoria do centrista, pois só isso justifica a indumentária tão desajustada ao momento - não te apresentas junto de gente cansada, frustrada e revoltada, de fatinho aprumado e esperas que alguém se identifique contigo.
Quanto isto, se me mencionarem, alinho nas críticas.

Já relativamente à atitude, só podemos reconhecer-lhe a coragem e saber ver que foi o único representante partidário a deslocar-se ao local para conversar com estes manifestantes. Mal ou bem, foi o mais próximo que estas pessoas estiveram do poder central, e não souberam aproveitar.

Ljubomir preferiu comportar-se como chefe da tribo e fazer uma exibição de poder alicerçado na sua notoriedade e nas dezenas de telemóveis que registaram o momento: "Meu querido, não sei qual é o teu partido, mas se voltas a falar em partidos convido-te a saires".

Ljubomir-Stanisic-da-raspanete-a-lider-do-CDS-PP-2

 



Com a simpatia forçada que não deixou esconder a sua arrogância, Ljubomir e os manifestantes que ali se encontravam, deram mote aos partidos para brincarem com o assunto ao invés de discutirem os problemas que supostamente ali se reivindicavam.

Fica a dúvida sobre o que afinal querem aquelas pessoas que se manifestam em frente à Assembleia da República, queixando-se de que ninguém fala com eles, mas que desprezam e repudiam os partidos quando estes vão ao seu encontro.



Ventura 2 PSD 0

Os últimos dias têm sido muito produtivos em criação de notícias, artigos de opinião e reportagens em torno da nova era governativa que se iniciará nos Açores.
O arquipélago terá, finalmente, a oportunidade de experienciar outro estilo de governação tendo mesmo expulsado os comunistas das lides parlamentares da região - recorde-se que até o PPM ficou à frente deles.

Numa outra perspectiva, esta siuação tem gerado jogos de bastidores muito interessantes, para quem gosta. E é sobre eles que me debruço e acerca deles que terei de dar a mão à palmatória relativamente à qualidade de assessoria que o presidente do Chega hipoteticamente terá.

Ainda a procissão ia a meio, e com procissão falo nas conversações entre CDS, PPM e PSD, e já muito se discorria acerca desta pseudo geringonça invertida, porque teria de contar com aprovações no parlamento regional, de outros partidos para que tivesse pernas para andar. Falou-se na IL, no Chega e até no PAN.

Já esbracejavam os putativos arautos da liberdade à esquerda, dizendo que se ia governar com um partido de extrema direita. Como se aquilo que se tem passado no continente à 5 anos fosse muito melhor, com um Governo apoiado por partidos que celebram Che Guevara, Fidel Castro, Mao ou que põem em hipótese que a Coreia do Norte seja uma democracia.

Não acho que sirva de justificação para nada, apontar o mal que outros fazem. Mas é impossível ficar-se calado com tamanha hipocrisia.

Após o entendimento desta nova AD 2.0 , parece que se exigiu ao PSD regional que garantisse a aprovação dos orçamentos no parlamento regional. Para isso, o PSD tentou então conversar com a IL e com o Chega. E a partir da segunda conversa, com o partido de Ventura, é que o PSD nunca mais apanhou o fio à meada.

O CH desde então tem jogado com mestria, e assim que terminou a conversa com o PSD, lançou para a comunicação social a ideia de que se tinha firmado um acordo que incluia a redução do número de deputados, a castração química e uma possível extensão do acordo às autárquicas.

Fazendo lembrar o filme "Wag the Dog", o Chega marcou a agenda e minou a credibilidade do PSD. Costuma-se dizer para não lutarmos com porcos não é...?

O PSD viu-se obrigado a desmentir essas informações, mas o dano estava feito. O primeiro a gritar ouve-se mais pois o segundo já não conta com todos os ouvintes na sala.

Depois de dezenas de reacções nas redes, mais outra dezena de artigos de opinião e manchetes, Rui Rio veio tentar remediar o irremediável: a ideia de que fez um acordo com a extrema direita estava no ar.

Após tudo isto seguiram-se, para além do desmentido, algumas defesas usando a tal questão da geringonça continental. E Rui Rio, que tem um registo patético nas redes sociais, acha boa ideia brincar com o tema.
Ontem, mais uma vez, a assessoria de André Ventura, revelando muita perspicácia, esteve atenta ao que Rui Rio fazia e conseguiu gerar mais uma nódoa no peito do PSD.

O líder dos laranjas faz um tweet infeliz, perguntando se há novidades acerca do "avanço do fascismo nos Açores" e, cerca de uma hora depois, André Ventura escreve outro tweet exatamente sobre o mesmo.

IMG_20201112_110345.jpg

 



Resultado: Ventura puxa o PSD para junto de si, demonstrando consonância de pensamento e articulação conjunta na comunicação externa. Para quem leu ambos, fica com a ideia de que combinaram ou que são muito parecidos. De uma cajadada André Ventura conota o PSD com a extrema direita, para quem vê de um lado, e conota o Chega com o centro-direita, para quem vê do lado oposto.

Em pouco dias, o partido de André Ventura, talvez por o terem subestimado, fez gato sapato da reputação do PSD e ainda se serviu da comunicação social como bem quis.

Todo este lodo teria sido evitado de uma forma muito simples: PSD, CDS e PPM não precisavam de falar com ninguém para formar governo. Quem estava com eles estava do lado da direita, quem não estava colocava-se ao lado da esquerda. Este era o argumento único que devia ter sido utilizado, sem direito a conversações.


O CDS-PP precisa de um "momento Pablo Casado"

"Vocês é que são a Direita que a Esquerda gosta!"

 


É a primeira página em todos os jornais de referência espanhóis. Pablo Casado, do Partido Popular espanhol, votou ontem contra a moção de censura do VOX (Chega versão espanhola), e apresentou uma brilhante e severíssima intervenção no Parlamento.

Pablo Casado puxou dos galões do seu partido e desconstruiu, uma a uma, todas as fraudes em que a extrema direita se alicerça para crescer. Sem medo de evocar a história do partido, de vincar os valores que guiam o partido e o seu europeísmo convicto, demonstrou como o VOX e quaisquer partidos como este, servem mais os interesses da esquerda, que os da direita.

Considerou o Presidente do PP espanhol, que os eleitores que sairam do PP e se passaram para o VOX, foram enganados, pois este é um partido que não pretende construir ou unir. E não, não combate a esquerda, só a ajuda a reforçar os preconceitos que incute na sociedade, apresentando a caricatura como um retrato fiél.

Quem se senta ao leme destes partidos não pretende representar nada, senão o seu próprio interesse pessoal, à custa da discórdia e do extremar de posições. É triste que por cá não se entenda isto,  que ainda ninguém tenha exposto a extrema direita tal como fez Casado: como uma aliada silenciosa da esquerda.

Dizem que Pablo Casado conseguiu, em 35 minutos, renascer das cinzas, fazer-se líder e novamente dar um ânimo à direita liberal-conservadora.

Este pulsar, pode e deve ser sentido pelo CDS, se quiser voltar a singrar. Francisco Rodrigues dos Santos tem de tirar daqui lições e virar o tabuleiro de jogo a seu favor.
Não há melhor ativo para um partido que a sua história, por muito que os extremistas queiram fazer ver o contrário e até lhes dê jeito que ninguém tenha memória.

Por cá também temos direita impostora, que precisa de ser revelada, ou vai continuar a descascar o espaço moderado e sensato de direita. O CDS não pode continuar a permitir, não só que o colem ao Chega, como que este último lhe roube bandeiras e se auto-intitule pioneiro das mesmas.
Não é a esquerda, cavalgada por extremistas de um lado (BE, PCP) e por oportunistas do outro(PS), que vai combater a extrema-direita em Portugal. Porque essa é a direita que eles queriam há muito ter à frente, para lhes dar razão, para lhes trazer heroísmo à causa.
A extrema-direita tem de ser combatida, como diz Casado, pela liberdade, tolerância e sensatez.

O CDS tem de beber da poção Casado, e puxar também as orelhas ao Chega, usando para isso toda a sua experiência e o papel que desempenha há anos na democracia portuguesa.

O PSD está corrompido pela vontade de não antagonizar o PS, com um líder fraco, que perde mais tempo a fazer oposição à oposição interna e aos meios de comunicação social, que ao Governo.
A Iniciativa Liberal não tem maturidade suficiente para arcar com um papel de representação da Direita.

Sobra um, se quiser e se for capaz de replicar o que os seus partidos irmãos pela Europa fora fazem. Vejam o vídeo e tirem as vossas conclusões:

 



Ou Assis tem razão ou Poço é tonto

Ontem fomos presenteados com A CARTA DE ALEXANDRE .
Nada mais é que um artigo de opinião, escrito pelo presidente da JSD, em que defende uma coligação a três para as Autárquicas que aí vêm. A proposta do petiz passa por PSD, CDS e IL se organizarem em conjunto, num acordo autárquico pré-eleitoral, para, diz ele, "oferecer uma alternativa moderada aos portugueses".

Ignorado o facto de o PSD provavelmente temer outro trambolhão autárquico, pois começam a notar que o partido não está a inspirar ou motivar ninguém para nada, e colocando de parte que a Iniciativa Liberal seria o maior beneficiário desta proposta, há algo de profundamente incoerente nesta carta e que me incomoda.

Então o Alexandre, que há bem pouco tempo deu uma entrevista em que disse taxativamente que não se podia colocar de parte um entendimento com o Chega! , fazendo eco do que Rui Rio disse, vem agora escrever um texto dizendo vivemos num ambiente em que " prevalece quem grita mais alto ou quem insulta com mais intensidade os adversários" e que "não podemos permitir que o extremismo se torne mainstream" ?

O que será que o Alexandre Poço achava que estava a fazer, quando deu continuidade ao discurso de entendimento com o Chega!? Que estava a combater o extremismo? Iam convidar o André Ventura para uma reunião na São Caetano e amordaçá-lo na cave?

Esta carta só me vem aumentar as suspeitas quanto ao quão Francisco Assis pode estar certo, quando diz que Rui Rio está a fermentar um plano Geringonça de Direita (PSD+CDS+CH+IL), porque isso explicaria, por exemplo, esta bipolaridade do deputado Alexandre. Ou isso, ou o rapaz é apenas tonto.

Eilln-GX0AAtNRo.jpg

 

Uma boa iniciativa

No Facebook está em "vigor" uma boa iniciativa por parte da Juventude Popular (JP) de Setúbal.

Trata-se de responder a questões sensíveis relativamente ao CDS, de forma a descontruir alguns preconceitos. Considero a inciativa boa porque me parece que em Portugal, a esquerda fica muitas vezes sem contraditório quando faz algumas acusações e aproveita a ignorância política da população para disseminar algumas inverdades.

Então, na página da JP Setúbal encontram-se respostas às questões:

- Porque é que ainda se continua a ouvir que a Direita é fascista?;
- A Direita só defende os ricos?;
- Por vontade da Direita não existia SNS?

Parecem-me questões relevantes.

ADOLFO MESQUITA NUNES(6).png