Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

22183668_2485_1012_675-1200x675_c.jpg


Nas últimas semanas tem-se ouvido muito falar na famosa "bomba atómica" dos Presidentes da República, por culpa das trapalhadas consecutivas do Governo de António Costa. 

A última das trapalhadas, a TAP e um secretário de Estado a negociar o nosso dinheiro por Whatsapp e a enviar emails à CEO francesa, sobre o que é preciso fazer para manter o Presidente da República contente e amigável. O lamaçal chega, logicamente, aos pés de mais gente, neste caso os ministros João Galamba ( foi rápido a fazer porcaria, como já tinha previsto aqui no blogue  ), Pedro Nuno Santos e Fernando Medina. 

Não me vou alongar a detalhar as trapalhadas destes incapazes, já foram amplamente noticiadas e sinceramente já não merecem o tempo de ninguém a escreve-las. 

O que acontece é que temos um Governo re-eleito há não muito tempo, com votação bastante reforçada ao ponto de estar em modo PS-Quero-Posso-E-Mando, mas que contrariamente ao que alguns portugueses que votaram para que isto acontecesse, a maioria não está a ser sinónimo de estabilidade política. 

Pelo contrário temos um Executivo que se farta de tropeçar nos próprios pés, emitindo demissões mês sim, mês não, com um primeiro-ministro que já não consegue ter uma postura coerente face aos casos. Num momento está no estrangeiro e diz que não comenta política interna, mas acaba a comentar. Num momento desvaloriza tudo e mais alguma coisa que um membro do Governo faça, no outro condena e diz que é algo muito grave - como aconteceu agora com Hugo Mendes. 

António Costa gosta de brincar à política, trata-nos como crianças e finge ter uma doutrina de resposta bem instituída, e prossegue na verbalização de incoerências como se se tratasse de estadista de referência. 

O Hugo Mendes foi agora o bode expiatório que obrigou o primeiro-ministro a voltar atrás na relativização de casos dentro do seu Governo. Tudo para salvar os "nomes-fortes" de Medina e Galamba. 

No meio desta confusão há quem clame pelo Presidente da República, exigindo que dissolva o Parlamento, acabe com este desGoverno e nos leve de novo a votos. 
Santana Lopes tem relembrado várias vezes que, por muito menos Jorge Sampaio dissolveu o Parlamento, quando há época o social-democrata substituiu Durão Barroso tornando-se primeiro-ministro de um Governo PSD/CDS.

O CDS-PP também tem pedido várias vezes a dissolução, o CH quer apresentar uma moção de censura e a IL até já apresentou uma há algum tempo. 

O Presidente já recusou fazê-lo, há quem diga que toma essa opção porque não encontra na Oposição uma alternativa forte e consolidada que não passe apenas por colocar um PSD a meio gás apoiado por um partido de protesto. 
Não sei se é esse o motivo, porém concordo que Marcelo não deve usar a famosa "Bomba Atómica". É verdade que Jorge Sampaio a utilizou há uns anos atrás por puro calculismo e militância. É verdade que nos empurrou para José Sócrates por meia bola e fogo. 
E é por isso mesmo que Marcelo não o deve fazer. Presidir o país não é um exercício de vinganças, por isso nao faz sentido pedir ao PR que faça aquilo que não gostámos que os outros nos fizessem. É essa a diferença entre ter um Presidente da República, de Esquerda, e um Presidente da República, de Direita. 

O segundo não assume o mais alto cargo da nação para fazer fretes ao partido, assume-o com sentido de responsabilidade e de Estado. Como tal, havendo um Governo com Maioria Absoluta, esses votos devem ser respeitados. A maioria das pessoas quis este Governo, não faz sentido que 1 homem o mande abaixo por que este não se consegue organizar devidamente (Até certo ponto, claro...). 

Se o Governo ainda não considerou que se deve demitir, se os deputados do PS ainda não consideram que o desgoverno coloca em causa o prestígio e om funcionamento do país, então devem continuar. Temos todos de arcar com as consequências do que a maioria escolheu. É a democracia. 

Eu também não quero ter este Governo, mas acho que devem ser eles a assumir a porcaria que fazem e a sair pelo próprio pé. Para que não haja dúvidas, para que não tentem a cartada do "não nos deixaram continuar", "instrumentalizaram o Presidente da República" etc, etc. 

O Governo há de cair de podre. Até lá, é bom que algum partido de Oposição comece a mostrar sinais de tem um projeto para o país. 

O primeiro-ministro anunciou há uns dias a criação de um mecanismo de verificação de possíveis governantes. 
O "mecanismo", reveleram hoje, trata-se nada mais nada menos do que, o preenchimento de um questionário e a assinatura de uma decalração de compromisso de honra em como estão a responder com honestidade ao questionário. 

Screenshot_2023-01-13-10-37-25-398_com.google.andr



Isto revela-nos algumas coisas levanta outras tantas dúvidas: 

As questões que estão presentes no questionário não eram já feitas aos candidatos a governantes? Como é que isso era possível?
Quando a Secretária de Estado da Agricultura se demitiu em 24 horas, muita gente se questionou se António Costa e a sua equipa de castings (será que existe ?) apenas confiavam na palavra das pessoas e pronto. Tendo em conta o conteúdo do questionário hoje aprovado e publicado, fica a ideia de que nem sequer questionavam os visados sobre possíveis questões legais que pudessem por em causa o seu trabalho, a sua permanência no cargo e a estabilidade necessária ao regular funcionamento do ministério em que esperam ser inseridos. 

Recordo-me que o ministro Azeredo Lopes dizia que tinha adquirido conhecimentos para o lugar de ministro da Defesa, através da visualização de filmes de guerra e policiais. Talvez o Governo deva começar a sugerir alguma séries políticas aos seus membros, é que até nas séries se costumam ver os assessores dos presidentes e dos primeiros-ministros a entrevistarem as pessoas antes de as nomearem para cargos. 

Saindo dos filmes, das séries e voltando à vida real. Parece que para entrar no Governo basta alguém nos querer lá, dizermos que sim e cá vai disto. Quase 50 anos depois do 25 de abril, ou seja, quase 50 anos de Governos democraticamente eleitos, e nunca se tinha preparado uma avaliação a candidatos a governantes? Nem sequer assinavam um qualquer compromisso de honra em como não eram uns aldrabões de primeira? 

Quantos de nós já tivemos de assinar uma declaração dessas para a mais mísera e simples das ações burocráticas? Na segurança social, nas finanças, nos notários, no IMT... E para se mandar no país não era preciso nada de nada? 

Só ao fim de quase 50 anos se lembram de que se secalhar era boa ideia, no mínimo, colocar as pessoas a responder a um questionário sobre a sua conduta? 
E ao fim de quase 50 anos, temos um primeiro-ministro a chamar a isto "mecanismo de veificação" ? Não é um mecanismo de absolutamente nada, é um formulário patético para nos atirar areia para os olhos. 
E é absolutamente vergonhoso, primeiro que só decidam fingir que vão verificar alguma coisa porque os casos já estavam a dar demasiado nas vistas, segundo que nos colem um rótulo de tontos ao anunciarem esta medida infantil. 

Os serviços de inteligência não fazem realmente uma verificação de quem são as pessoas que vão tutelar as nossas finanças? O nosso sistema de pensões? A nossa educação? 
Será que um dia temos um espião estrangeiro como ministro e ninguém dá conta? 

A falta de rigor e de seriedade com que se encara o exercício da governação em Portugal, não cessa de me surpreender. 



Um amigo fez-me chegar um vídeo muito interessante. Não a parte do Big Brother, mas a parte dedicada a Luís Filipe Vieira (mais ou menos ao minuto 8). É um pequeno apanhado que nos permite perceber melhor o tipo de pessoa que tantos políticos gostam de orbitar à volta, desde o primeiro-ministro ao líder do Chega.

Vale a pena ver :

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub