Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

image_2023-08-18_104036068.png

Uma pessoa decente pode achar que não se coaduna com a posição de deputado da nação, querer deliberada e ardilosamente falsear a publicação de notícias para finjir que a realidade bate certo com aquilo que diz.  
Uma pessoa decente pode achar que não se coaduna com a posição de deputado da nação, chamar conas aos adversários políticos.
Uma pessoa decente pode achar que não se coaduna com a posição de deputado da nação, tirar fotos em pose de oração nas igrejas para instrumentalizar a religião. 

Porém há que reconhecer algo: este partido e este chefe de partido, têm um objetivo e um público-alvo, e não se desviam um milímetro do traçaram. O objetivo é aparecer, aparecer aparecer. O público-alvo é quem, por desconhecimento ou desilusão rejeita por definição a política e os políticos. Como as pessoas que não entendendo um quadro, dizem imediatamente que é lixo. 

image_2023-08-18_111650087.png


Para este partido e este chefe de partido, não há linhas vermelhas. Tudo é válido desde que os objetivos sejam concretizados. Para o público-alvo, idem. Tudo é valido desde que continuem a obter a satisfação de ver André Ventura e a sua turma a dizer algo que perturbe, que gere reacções quentes, que tire do sério.

image_2023-08-18_111728000.png


Os primeiros nunca sentem necessidade de pedir desculpa por nada (excepto se isso der jeito para aparecer como aconteceu agora com o Papa), os segundos desculpam os primeiros de tudo. 
Aliás se este texto passar pelos olhos dos que se enquadram no público-alvo do CH, a primeira laracha que vão dar é: estes fazem isso tudo mas os outros são corruptos. Como se estivéssemos a falar de corrupção, como se por apontarmos esta falta de limites éticos e morais fosse o equivalente a desculparmos a desonestidade de quem corrompe e é corrompido. Como se estas demonstrações que o CH dá, de comportamente diário dos seus dirigentes, não fossem sinais de que, tendo poder, farão o mesmo ou pior que os socialistas fazem atrás da cortina. 

O público a quem Ventura coerentemente chega é o que confunde  ser violento com ser aguerrido, e que a frontalidade passa necessariamente por ser bronco e mal educado para os outros. 

Este partido e este chefe de partido, não têm forma de se lhe apelar à razoabilidade, pois eles não se regem pelos mesmos valores nem seguem as mesmas regras que os restantes agentes políticos ou cívicos. Não vale a pena criticá-los por fazerem X ou Y, nem tentar apontar incoerências no que dizem ontem e fazem hoje. Não se incomodam minimamente desde que tenham conseguido atenção. 

O que é que gerou isto? Um desinteresse da classe governativa em incentivar o exercício da cidadania, desde cedo, nas escolas. Agora é tarde, agora temos várias gerações que não percebem, não querem perceber e se ficam quanto muito pelos bitaites que vão ouvindo na TV. Quanto muito, porque a maioria não quer mesmo saber.

O que também gerou isto foi uma classe política que se tornou arrogante, sobretudo da área do centrão, e que esticaram ao máximo a tolerância de um povo desinformado ouvir e ler diariamente que alguém se está aproveitar do cargo que exerce. 

Portanto daqui vão acontecer duas coisas:

Como este partido não tem como ser chamado à razão, vai continuar a fazer o que melhor faz, que é dar show. Vai continuar manter a Direita partida e assegurar o PS. Com azar, até podem chegar a aumentar ainda mais o número de deputados e só pararão quando efetivamente se lhes pedirem decisões não saberão tomar. Só pararão de crescer quando tiverem um escrutínio sério ao seu exercício de cargos e se confirme que por lá também anda quem se aproveita. 

Ou 

Algures, na massa abstencionista deste país, haverá mais gente razoável, com sentido moral e ético, que fará o obséquio de começar a exercer o seu direito de votar, e pode ser que haja um reforço de uma Direita decente. Para isso também era preciso que os partidos fossem competentes a procurar captar a atenção de quem se abstém. Coisa que não têm sido. 








3 motivos pelos quais André Ventura é imbatível em debates

Começou no dia 2 mais uma ronda de debates alusivos a eleições, desta vez Legislativas.

220103_debate-1600x740.jpgDitou o sorteio dos debates que no primeiro dia da ronda de debates televisivos, tivéssemos os dois extremos do hemiciclo em debate. A seguir a um morninho, quase frio, debate entre o primeiro-ministro, António Costa, e o candidato do Livre, Rui Tavares - houve quem dissesse que se tratou de uma entrevista de emprego -, tivemos um encontro que prometia ser escaldante entre Catarina Martins, do Bloco de Esquerda e André Ventura do CHEGA! .

Poker Face - a líder bloquista tentou adoptar uma estratégia diametralmente oposta à da sua correligionária Marisa Matias, aquando dos debates para as Presidenciais, com o mesmo adversário. Ou seja, em vez de reagir às cargas de ombro e aos carrinhos de Ventura, digo, às interrupções e provocações, Catarina Martins tinha delineado fazer-se impávida e serena.

Nem tanto à Terra, nem tanto ao Mar - porém, a estratégia levada demasiado à letra e ainda teve alguns pormenores insólitos. É que se grande parte dos ataques desferidos por Ventura foram roboticamente ignorados pela líder do Bloco, outros a bloquista optou por responder... com recurso a citações do Papa Francisco. Sim, a coordenadora do Bloco de Esquerda escudou-se em frases e atitudes do líder da organização que os seus militantes mais detestam (a seguir ao CH), a Igreja.

Imagem final - naquele que era provavelmente o debate mais relevante para ambos os candidatos, primeiro porque as sondagens dizem que disputam o 3º lugar, segundo porque cada um deles representa a piñata preferida dos militantes do partido do adversário, a imagem que fica é de uma Catarina Martins "congelada" a receber acusações e perguntas que não abonam em seu favor ficarem sem resposta. Do outro lado, mais uma vez, Ventura cumpriu o ponto de satisfação dos seus militantes e apoiantes.


No dia seguinte, ditava o calendário que o líder do CH defrontasse o presidente do PSD, Rui Rio. Não me irei alongar nos comentários a este debate, senão nunca mais chegamos ao cerne da questão. O que importa reter de ambos os debates, é que em ambos poderíamos confortavelmente assumir que Ventura venceu. Notou-se que Rui Rio tinha dificuldade em lidar com o que estava à frente dele e passou parte do debate a discutir as propostas que Ventura lhe lançava. E alguém questionará: então ganha sempre?
Quase. Podemos dizer que em 99% dos debates, André Ventura entra sempre em xeque-mate. Porém isso não se deve apenas à sua capacidade de tagarelar à velocidade da luz.

 


Vamos então aos 3 motivos pelos quais é tão difícil passar a imagem de vitória num debate com o líder dos cheganos.


A parte que cabe aos partidos - Anos e anos de descredibilizacao política, e de descredibilizacao da política originaram uma população desinteressada na res-publica e profundamente abstencionista.
Os partidos não se preocuparam nunca em adaptar-se aos tempos, cultivam ainda hoje as mesmas táticas, as mesmas formas de passar mensagem, como se tivesse uma amplitude de votos garantida. Continuam hoje a dar-se ao luxo de não pedir desculpa por um erro, de recusar medidas de transparência ou de manter políticos associados a crimes, no ativo. Gerou-se um "são todos iguais, todos roubam", cada vez mais audível.

A parte que cabe aos Governos - Anos de instabilidade em matérias essenciais, como o delinear de um modelo educativo, que é traçado e retraçado conforme a orientação ideológica do Governo do momento, acabaram por negligenciar a formação de cidadãos com maturidade para abraçar os direitos e deveres de uma cidadania ativa e responsável.
Essa negligência nota-se desde o momento em que alguém não está familiarizado com o significado da sigla I.R.S. até aos que ignoram por completo o nome do primeiro-ministro do país em que vivem. Cidadãos alheados da realidade, criam políticos moralmente fracos, que se aproveitam destas fragilidades da sociedade para dizerem o que querem e tomarem as decisões que lhes apetecem por não temerem o escrutínio do povo.

A parte que cabe aos jornalistas - Uma comunicação social que entrou em loop, entre a falta de educação para os media, a consequente falta de dinheiro e a incapacidade de se renovar ao mesmo tempo que cumprem os seus deveres para com a população, de servir através da informação e do escrutínio do poder. Limitam-se hoje ao entretenimento, sendo que nao há uma única esfera da nossa vida que seja analisada para além das audiências.
Vemos isso, mais uma vez, no ridículo tempo que disponibilizam para os candidatos às eleições debaterem publicamente os seus projetos políticos. Cerca de 12 min para cada um, e nem mais um segundo. São apenas as eleições em que os portugueses decidirão o próximo Governo de Portugal, não é necessário despender demasiado tempo com isso...
deixo também o desafio para que fiquem atentos ao teor da maioria das perguntas dos moderadores dos debates: perguntam mais sobre as propostas ou sobre geometria parlamentar (com quem é que se junta para formar governo, o que faz se tiver menos deputados, etc). O que é saímos a saber dos programas de cada partido?

Estes ingredientes formam o bolo que torna um projeto e um político como André Ventura, blindados em quase todos os ângulos.
Reparem que neste momento, o político que alegadamente está em ascendência, que consegue que tudo o que diz ou faz seja mediatizado, que reúne milhares de euros em donativos, é exatamente o tipo de político que toda a gente acharia impossível de conseguir algo sequer parecido há poucos anos.
Impossível porque como se sabe, o CDS  já era intitulado extrema-direita, daí que qualquer partido ou político que alegasse ser mais à direita do que o CDS, incorria na pena de ostracização e no atestado de seita de "maluquinhos".

No entanto, num par de anos temos uma comunicação social a levar ao colo um político a que os próprios agentes dessa comunicação social não se inibem de intitular de populista de direita ou extrema direita. Como é que chegámos aí? Porque é os jornalistas não gostando dele, não conseguem viver sem ele? Audiências. Um "maluquinho" (salvo seja porque se há coisa que Ventura não é, é maluquinho apesar de não se poder dizer o mesmo de muitos dos que o rodeiam), dá muito mais audiências que um político cinzentão, a debitar o mesmo politiquês que já se debitava há 30 anos. Ainda para mais em 15 min.

O André vence qualquer debate, porque não é escrutinado nem pelos jornalistas nem pela população, porque se atreve a ir mais longe na demagogia que os políticos do costume e utiliza as mesmas frases de senso comum de um povo que foi mal-educado e que está tão saturado de políticos que só os quer ver em pânico a tentar reagir às bocas e às acusações de Ventura. Tenham elas fundamento ou não.
É nesse colete à prova de balas, que ele consegue simultaneamente dizer que o PSD é igual ao PS mas que ele quer governar em conjunto com eles, que já propôs o internamento compulsivo de pessoas com covid mas agora diz que todas as medidas representam um apartheid sanitário, ou que os deputados do CH nos Açores, que lhe desobedeceram e não acataram a ordem de romper o acordo com os restantes partidos, na verdade não lhe desobedeceram mas deram sim um "Murro na mesa" para conseguirem a implementação das suas propostas.


Nunca se consegue confrontar o líder do CH com uma incoerência porque ele responde que é uma evolução de pensamento e os seus apoiantes engolem. Não o podem relembrar do seu passado no PSD, porque ele responde que não tinha responsabilidades governativas, ainda que ele faça as mesmas acusações aos adversários quando estes muitas vezes também não as tinham. Não se consegue completar uma frase que ele note que não lhe vá ser proveitosa sem que interrompa rapidamente com perguntas retóricas.

O André não vence todos os debates porque eu já o vi perder um, mas não é fácil conseguir ultrapassar estes obstáculos que o tornam tão escorregadio. O único político que até hoje conseguiu a proeza, foi outro que talvez seja tão escorregadio quanto o presidente do CHEGA! : falo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. São várias as pessoas que se cruzaram com o Marcelo, ao longo dos anos, que mais tarde o relembram com uma figura reptiliana, de grande perspicácia e capacidade de desferir golpes implacáveis nas costas.
Pouco interessam esses atributos para um debate, mas deve ser o único político na atualidade que consegue, tanto numa entrevista como num debate, manter um raciocínio assertivo e coerente apesar de estar a ser interrompido, como se nada fosse. Aliás, quem o tenta interromper normalmente acaba por desistir. Esse foi o grande trunfo no debate com Ventura, é que este não o conseguia parar.


Por falar em debates, hoje há três e eu fico-me por aqui. Para quem não tenha tempo de ver os debates no momento em que dão e não esteja para saltar de canal em canal e andar para trás, a RTP Play disponibiliza todos os debates, de todos os canais, no site.

PS: Feliz Ano Novo!




No dia 12 de dezembro do último ano, André Ventura, presidente do Chega(CH), escrevia no seu perfil pessoal, no Twitter :


"Deus confiou-me a difícil mas honrosa missão de transformar Portugal. E eu não abandonarei os portugueses, por muitas armadilhas que me sejam colocadas no caminho."

Um estilo que agrada à vertente iurdesca do CH e que foi ridicularizada pelos seus antipatizantes, ao longo de comentários, reacções e artigos de opinião. Numa entrevista ao jornal Observador, Miguel Pinheiro perguntou-lhe mesmo "quando?" é que deus tinha falado com o dirigente do CH - pergunta que foi até elogiada por Ricardo Araújo Pereira no Governo Sombra.

Um mês depois eu tenho de admitir que dou parcialmente razão a André Ventura. Acho que escreveu aquela frase, à primeira vista disparatada, com o intuito de apelar aos evangélicos e a alguns católicos impressionáveis, mas acabou por ter um laivo de verdade.

O agora candidato a presidente da república, não tem nenhum missão confiada por deus. Ele tem é motivos para se sentir um deus.

Desde o ínicio da campanha eleitoral, em que fez questão de andar a viajar pelo país num momento completamente desaproriado, André Ventura tem sido seguido pelo seu batalhão de militantes, que estão já bastante documentados para nos podermos referir aos mesmos como fãs, pelos jornalistas e por uma legião de contestadores.

Quando digo que André Ventura se deve sentir como um deus, é por isto mesmo: é amado por uns, que o tratam como um deus do bem, dos "portugueses de bem", e odiado por outros que se dão ao trabalho de o seguir para mostrar o seu desagrado, acreditando ingenuamente que o estão a "combater". A combater o deus do mal, de todos os males, o diabo que invocou o fascismo adormecido.

É normal que quem goste de Ventura o trate muito muito bem e o veja como poço profundíssimo de virtudes. Não é normal que quem não goste de Ventura despenda do seu tempo para o destratar e acusá-lo das maiores barbaridades.

Os primeiros fazem o que é suposto, os segundos ajudam os primeiros e nem se apercebem. Todos ajudam André.
Não sei se, como diz o líder do CH, é o Bloco que está por detrás das manifestações anti-chega ou não. Mas sei de uma coisa: cada manifestação que realizam, acrescentam mais uns minutos ao tempo de antena daquele que querem combater. Acrescentam mais uns argumentos ao discurso de vitimização de Ventura, e mais uns apoiantes que se juntarão a ele nem que seja por detestarem a esquerda.

unnamed.jpg

 


Não se percebe qual é o objetivo dos protestantes. Talvez por serem na sua maioria miúdos estejam à espera que André Ventura fique muito desanimado e desista. Uma ideia que só na cabeça não sei de quem, poderá ter cabimento.

De qualquer das formas, continuam a obrigar a que os holofotes estejam sempre centrados no presidente do CH, e o que vemos é um candidato calado a ser ofendido. Não dará bom resultado para quem o pretende combater.  Um endeusamento é sempre um endeusamento. Colocar André Ventura no patamar de deus do Mal é dar-lhe uma importância que não tem, mas que toda a sua equipa tem mérito por a conseguir criar artificialmente. Nós, cidadãos e demais escrutinadores, temos o demérito de não saber decifrar esta estratégia, colocá-lo no seu lugar e obrigá-lo a jogar o jogo dos argumentos para defender aquilo que indefensavelmente defende.

Nisso Marcelo Rebelo de Sousa e Sérgio Sousa Pinto têm toda a razão quando dizem que não é a ameaçar proibir ou a chama-lo a ele e a todos os seus apoiantes de fascistas, que vão conseguir vence-lo.

Isso é lenha para a fogueira onde se aquecem os extremos.

Foi o tema de muitas conversas ontem, os trechos da intervenção de André Ventura em Portalegre, noticiados na comunicação social. O candidato do Chega (CH), tratou de deixar bem claro que estas eleições presidenciais servem para solidificar a implantação do partido e que o principal objetivo é melhorar o resultado das legislativas.

O pior veio a seguir, quando começou a disparar para todos os lados, de forma infantil e jocosa. Disse que o João Ferreira era um operário "beto", que o Presidente da República parecia um esqueleto, que o batom vermelho da Marisa Matias não é muito bom para a imagem de uma presidente e, finalmente, que o Jerónimo de Sousa é como "aquele avô bêbado que temos lá em casa".

trump-shadow-lg.jpg

 

Não sei que avô é que o André Ventura tinha na sua família para achar que ter um avô bêbado em casa é algo generalizado na população portalegrense. Sei sim que o presidente do CH quer ser o Trump português e estes insultos fazem parte dessa tentativa de o ser.

Essa tentativa, não assumida (no debate presidencial com Ana Gomes, Ventura mostrou-se perplexo pela socialista ter dito que ele era fã de Trump), é confrangedora e até pateta. Quem não tenha o hábito de acompanhar as notícias via TV, acerca da política norte-americana, onde logicamente Donald Trump foi figura pincipal nos últimos quatro anos, talvez não note. Os gestos, (o indicador levantado com a palma da mão virada para a frente p.ex) enquanto fala, muito pouco naturais como é de esperar numa imitação amadora. A roupa, como o sobretudo escuro e comprido com uma gravata enorme no meio. As expressões, "o pior da história", "o mais grave de sempre", cheio adjetivos superlativos, que são também das coisas que mais nos fazem soar o alarme de imitação relativamente ao presidente americano. E por último, o estilo bully, de constante ataque e ofensa infantil aos adversários, com o objetivo de os ridicularizar, que se materializa na criação de alcunhas ou, por exemplo nos debates, com a recorrente interrupção e interpelação chamando-os de mentirosos.

Pego agora numa dessas alcunhas, a do "camarada de plástico", que acho que assenta muito melhor em André Ventura. O plástico a que me refiro não é o plástico útil que utilizamos no nosso dia-a-dia, é o plástico que imaginamos quando falamos na comida fast-food. A estratégia do CH e do seu presidente, é servir-nos política de entretenimento, uma política de plástico para consumo imediato. Ventura vai acabar por conseguir ter o seu lugar na história da política portuguesa, mas sem qualquer traço de autenticidade.

A direita que agora se encanta muito com este partido e este homem, porque confunde ofender a esquerda com combater a esquerda, anda atrás de um imitador, um ator, que se engana a ele e aos outros para existir. Este exercício pode agora ter resultados muito interessantes, ou até não porque as sondagens são o que são, mas a médio longo prazo, trará consequência enormes para o espaço político da direita.

Por andarem embevecidos com um estilo que personifica a caricatura que fazem da direita, os militantes desse espectro ideológico iram cunhar a caricatura como retrato fiel e nunca mais se verá a mesma como uma alternativa sólida, capaz de ocupar o poder em que seja apenas para castigar a esquerda.

A direita que se comporta como o "avô bêbado", destrói aos poucos a sua casa, numa ilusão de afronta aos poderes instalados e de combate ao socialismo. Não se apercebem que o maior favor que fazem à esquerda é exatamente este, o de se comportarem como a esquerda sempre os adjetivou.

"Lá fora", existem bons exemplos dos benefícios de uma direita decente, que se paute por valores morais e éticos, que não se limita a adjetivar negativamente os adversários, apresentando-se com soluções úteis, responsáveis e claras.
Na Alemanha receia-se o fim da liderança de uma internacionalmente consolidada estadista de direita, Angela Merkel (porque a própria não pretende voltar a recandidatar-se). Em Espanha, o Partido Popular, de Pablo Casado, continua a re-conquistar os espanhóis, tendo colocado no lugar a extrema-direita do Vox e fazendo oposição séria aos socialistas de Sanchéz e comunistas de Iglesias.

"Cá dentro", esta direita não está a saber comunicar, a saber vingar, a saber mostrar as diferenças entre ela e a direita trauliteira, entre ela e a esquerda oligarca.  Veremos o que nos reserva o futuro, mas a direita do "avô bêbado" eu dispensava.

Vitorino Silva

O candidato com tino

Numas eleições cada vez mais desprestigiadas como as Presidenciais, que lentamente se assemelham ao concurso Miss Mundo, em que os candidatos propõem tudo e nada, sendo que tudo são as propostas vagas que debitam cada vez que podem, e nada aquelas que sabem que estão fora do alcance de um presidente da República poder exectuar mas que decidem apresentar na mesma, há uma cara familiar que traz algum realismo à disputa.

É mais que sabido que o vencedor é Marcelo Rebelo de Sousa, e por isso mesmo não desce do estatuto de MVP. Está reservado, como se faz em culinária. É só não estragar o que já tem.

A cara familiar de que falo, é a de Vitorino Silva, mais conhecido como Tino de Rans. O candidato penafidelense consegue supreender sempre que volta a aparecer. Há 5 anos atrás surpreendeu no final, com um resultado muito acima do esperado. Surpeendeu tanto que o PCP apanhou um susto - etiveram a 30 mil votos de ser ultrapassados pelo calceteiro.

Este ano, aparece mais experiente, com um discurso muito mais assertivo e repleta de mensagens por entre as suas parábolas e analogias. A importância de Vitorino Silva nas eleições de 2021, duplicou pelo contexto político em que se insere. Estamos na época do pós-verdade, em que para ser basta parecer, e a maioria dos challengers são isso mesmo, vendedores de banha da cobra. Especialmente os que se dizem "representantes do povo".

É especificamente aí, que Vitorino e torna uma ameaça, pois só a sua presença desconstrói a narrativa deles. Se há um candidato que representa o povo ele é com certeza o cidadão que trabalha das 9 às 18, e que decide tentar a sua sorte como mais alta figura do Estado. O candidato que mais se assemelha ao povo é o que andou pelo país, no próprio carro, de norte a sul a recolher assinaturas, dormindo na casa de quem lhe oferecesse guarida.
E melhor que estas frases para o explicar, são as 9 mil assinaturas que conseguiu, muito mais que as suficientes para uma candidatura e muito mais que as que foram apresentadas pelos candidatos empurrados por alguns partidos.

Não há nem pode haver qualquer tipo de condescendência para com a candidatura de Tino de Rans. É um insulto se o houver. Por detrás daquele sorriso embutido num desmazelo próprio de quem trabalha no chão para nos dar chão, há hum homem intensamente esperançoso e perseverante, qualidades que só quem for desatento, não as reconhece como ingredientes principais de todos aqueles a quem chamam de "imortais". 

São esse sorriso e essas qualidades que armam Vitorino Silva e não o deixam desistir ou sequer desmotivar perante as muitas adversidades que se lhe têm apresentado.
Parte como o candidato com menor orçamento e como o mais subvalorizado pela opinião "que conta" para a comunicação social. Tão subvalorizado e menorizado que até há bem pouco tempo nem entrava nos questionários das empresas de sondagens. É assim que tratam os nossos.

Tão desprezado e ridicularizado que nenhuma televisão o convidou para os debates com os restantes convidados. Só após muita pressão, lá fizeram o obséquio de o incluir.
Para primeiro debate, talvez muitos tenham pensado que lhe calhou "a fava" - Vitorino Silva versus André Ventura. Quem ontem teve oportunidade de ver os trinta minutos de debate (pouquíssimo tempo, mas é assunto para outro texto), só pode ter visto que foi a André Ventura que calhou " fava".

O calceteiro, frente a frente com o doutorado, não só não se intimidou como se fartou de enviar mensagens subtis tanto para o seu adversário, como para outros candidatos e partidos.
Com um ar simpático, sotaque do norte e gesticulação de quem não está habituado a trabalhar de mãos vazias, Tino de Rans conseguiu atirar calhaus, sem receber troco, como:

"Eu concordo com André Ventura, devia haver menos deputados. Por exemplo, sempre que algum faltasse, tomava-se nota e ao fim de umas faltas, o número reduzia"

"Eu ouço dizer que o André falta muito, mas ele só falta porque ainda não tem ninguém para lhe ir marcar as presenças"

"A rua é onde começa a casa de toda a gente."

"Está a ser um debate porreiro. É assim que se deve fazer em democracia, sem interromper o outro."

"Eu tive mais votos que o Chega e o Iniciativa Liberal juntos"

Pelo meio, Vitorino Silva ainda conseguiu fazer uma parábola com uma mão cheia de pedras que apanhou em Peniche, falando nas pedras de todas as cores, e à resposta sobre se é de direita ou de esquerda respondeu que andar direito, "preciso de uma perna esquerda e de uma perna direita" a funcionar bem.
Não fossêmos nós algo preconceituosos, e muito mais pérolas conseguiríamos ouvir por cada intervenção pública do Tino. Infelizmente, tem muito poucas porque as TV´s e os jornais não se interessam por um calceteiro.
Ontem, um falso profeta do povo encontrou um político que realmente veio do povo e só não compreendeu as bocas que lhe foram mandadas porque se notou o desprezo que sentia a ouvir Vitorino Silva. É o chamado ouvir sem escutar. 

Incrivelmente, mesmo após todas as dificuldades conhecidas e reconhecidas no debate, da promoção da candidatura do penafidelense, o jornalista que moderou o debate conseguiu gerir o tempo de forma a que Vitorino tivesse ficado com menos tempo usado. Não basta ser prejudicado desde o primeiro dia, ainda tem de ouvir um jornalista dizer "Vitorino Silva ficou com menos tempo, mas também não pode ser milimétrico". Neste caso, pode e por tudo o que lhe têm feito deve. Pois se há quem demonstra que cada milimetro é aproveitado ao máximo, é o Vitorino!

Talvez por um milímetro desta vez os votos no Vitorino ou no Tino (como diz o candidato há quem queria votar num e há quem queira votar no outro) sejam suficientes para alcançar um lugar nos 5 primeiros.

20210104_231742.jpg

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub