Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Pólis

The Pólis

  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

  • Os anti-ventura dão jeito a quem?

    No dia 12 de dezembro do último ano, André Ventura, presidente do Chega(CH), escrevia no seu perfil pessoal, no Twitter :


    "Deus confiou-me a difícil mas honrosa missão de transformar Portugal. E eu não abandonarei os portugueses, por muitas armadilhas que me sejam colocadas no caminho."

    Um estilo que agrada à vertente iurdesca do CH e que foi ridicularizada pelos seus antipatizantes, ao longo de comentários, reacções e artigos de opinião. Numa entrevista ao jornal Observador, Miguel Pinheiro perguntou-lhe mesmo "quando?" é que deus tinha falado com o dirigente do CH - pergunta que foi até elogiada por Ricardo Araújo Pereira no Governo Sombra.

    Um mês depois eu tenho de admitir que dou parcialmente razão a André Ventura. Acho que escreveu aquela frase, à primeira vista disparatada, com o intuito de apelar aos evangélicos e a alguns católicos impressionáveis, mas acabou por ter um laivo de verdade.

    O agora candidato a presidente da república, não tem nenhum missão confiada por deus. Ele tem é motivos para se sentir um deus.

    Desde o ínicio da campanha eleitoral, em que fez questão de andar a viajar pelo país num momento completamente desaproriado, André Ventura tem sido seguido pelo seu batalhão de militantes, que estão já bastante documentados para nos podermos referir aos mesmos como fãs, pelos jornalistas e por uma legião de contestadores.

    Quando digo que André Ventura se deve sentir como um deus, é por isto mesmo: é amado por uns, que o tratam como um deus do bem, dos "portugueses de bem", e odiado por outros que se dão ao trabalho de o seguir para mostrar o seu desagrado, acreditando ingenuamente que o estão a "combater". A combater o deus do mal, de todos os males, o diabo que invocou o fascismo adormecido.

    É normal que quem goste de Ventura o trate muito muito bem e o veja como poço profundíssimo de virtudes. Não é normal que quem não goste de Ventura despenda do seu tempo para o destratar e acusá-lo das maiores barbaridades.

    Os primeiros fazem o que é suposto, os segundos ajudam os primeiros e nem se apercebem. Todos ajudam André.
    Não sei se, como diz o líder do CH, é o Bloco que está por detrás das manifestações anti-chega ou não. Mas sei de uma coisa: cada manifestação que realizam, acrescentam mais uns minutos ao tempo de antena daquele que querem combater. Acrescentam mais uns argumentos ao discurso de vitimização de Ventura, e mais uns apoiantes que se juntarão a ele nem que seja por detestarem a esquerda.

    unnamed.jpg

     


    Não se percebe qual é o objetivo dos protestantes. Talvez por serem na sua maioria miúdos estejam à espera que André Ventura fique muito desanimado e desista. Uma ideia que só na cabeça não sei de quem, poderá ter cabimento.

    De qualquer das formas, continuam a obrigar a que os holofotes estejam sempre centrados no presidente do CH, e o que vemos é um candidato calado a ser ofendido. Não dará bom resultado para quem o pretende combater.  Um endeusamento é sempre um endeusamento. Colocar André Ventura no patamar de deus do Mal é dar-lhe uma importância que não tem, mas que toda a sua equipa tem mérito por a conseguir criar artificialmente. Nós, cidadãos e demais escrutinadores, temos o demérito de não saber decifrar esta estratégia, colocá-lo no seu lugar e obrigá-lo a jogar o jogo dos argumentos para defender aquilo que indefensavelmente defende.

    Nisso Marcelo Rebelo de Sousa e Sérgio Sousa Pinto têm toda a razão quando dizem que não é a ameaçar proibir ou a chama-lo a ele e a todos os seus apoiantes de fascistas, que vão conseguir vence-lo.

    Isso é lenha para a fogueira onde se aquecem os extremos.

    1 comentário

    Comentar post