Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Pólis

"Vocês é que são a Direita que a Esquerda gosta!"

 


É a primeira página em todos os jornais de referência espanhóis. Pablo Casado, do Partido Popular espanhol, votou ontem contra a moção de censura do VOX (Chega versão espanhola), e apresentou uma brilhante e severíssima intervenção no Parlamento.

Pablo Casado puxou dos galões do seu partido e desconstruiu, uma a uma, todas as fraudes em que a extrema direita se alicerça para crescer. Sem medo de evocar a história do partido, de vincar os valores que guiam o partido e o seu europeísmo convicto, demonstrou como o VOX e quaisquer partidos como este, servem mais os interesses da esquerda, que os da direita.

Considerou o Presidente do PP espanhol, que os eleitores que sairam do PP e se passaram para o VOX, foram enganados, pois este é um partido que não pretende construir ou unir. E não, não combate a esquerda, só a ajuda a reforçar os preconceitos que incute na sociedade, apresentando a caricatura como um retrato fiél.

Quem se senta ao leme destes partidos não pretende representar nada, senão o seu próprio interesse pessoal, à custa da discórdia e do extremar de posições. É triste que por cá não se entenda isto,  que ainda ninguém tenha exposto a extrema direita tal como fez Casado: como uma aliada silenciosa da esquerda.

Dizem que Pablo Casado conseguiu, em 35 minutos, renascer das cinzas, fazer-se líder e novamente dar um ânimo à direita liberal-conservadora.

Este pulsar, pode e deve ser sentido pelo CDS, se quiser voltar a singrar. Francisco Rodrigues dos Santos tem de tirar daqui lições e virar o tabuleiro de jogo a seu favor.
Não há melhor ativo para um partido que a sua história, por muito que os extremistas queiram fazer ver o contrário e até lhes dê jeito que ninguém tenha memória.

Por cá também temos direita impostora, que precisa de ser revelada, ou vai continuar a descascar o espaço moderado e sensato de direita. O CDS não pode continuar a permitir, não só que o colem ao Chega, como que este último lhe roube bandeiras e se auto-intitule pioneiro das mesmas.
Não é a esquerda, cavalgada por extremistas de um lado (BE, PCP) e por oportunistas do outro(PS), que vai combater a extrema-direita em Portugal. Porque essa é a direita que eles queriam há muito ter à frente, para lhes dar razão, para lhes trazer heroísmo à causa.
A extrema-direita tem de ser combatida, como diz Casado, pela liberdade, tolerância e sensatez.

O CDS tem de beber da poção Casado, e puxar também as orelhas ao Chega, usando para isso toda a sua experiência e o papel que desempenha há anos na democracia portuguesa.

O PSD está corrompido pela vontade de não antagonizar o PS, com um líder fraco, que perde mais tempo a fazer oposição à oposição interna e aos meios de comunicação social, que ao Governo.
A Iniciativa Liberal não tem maturidade suficiente para arcar com um papel de representação da Direita.

Sobra um, se quiser e se for capaz de replicar o que os seus partidos irmãos pela Europa fora fazem. Vejam o vídeo e tirem as vossas conclusões:

 



1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub