Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Pólis

The Pólis

  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

  • É uma questão de forma ou de conteúdo?

    Nos últimos dias temo-nos deparado com as reacções, em catadupa, de indignação, choque e condenação da caçada que aconteceu na herdade da Torre Bela, na Azambuja.
    Também eu fiquei chocado com tamanha frieza de espírito, de quem tira 500 vidas e no final congratula-se, fotografando e filmando os cadáveres.

    Mas quanto mais a imagem circula e me aparece à frente, mais me faz pensar.
    Estamos horrorizados com o quê, especificamente? Com a quantidade de animais mortos? Com o motivo fútil para os matar? Com a expressão facil do casal protagonista da fotografia que anda a rodar por todos os ecrãs?

    Enquanto sociedade organizada e algo educada, temos consciência de que todos os dias são mortos milhares de animais, pelas mais diversas razões, e que somos consumidores dessas mortes. Seja no bife (vacas p.ex), seja nos laboratórios (macacos p.ex) ou simplesmente porque não suportamos a sua presença (ratos p.ex.). Acho que é seguro arriscar até nos milhões.

    Então até que ponto não é hipócrita a nossa indignação com a matança na Torre Bela? Será que não estamos apenas chocados por nos terem mostrado? "Olhos que não veêm, coração que não sente", certo?

    Mas não pode ser também apenas isso. Há imagens de animais mortos que não nos geram qualquer reacção de repugnação em cadeia.

    4fed54d8-8c88-42e1-9cd6-64ab84b9a08a.jpg

    image.aspx.jpg

    Porque é que a primeira imagem é chocante e a segunda não?

    Acharemos nós que os pescadores não ficam felizes por conseguirem matar mil peixes num dia? É porque os peixes não vocalizam um som que se assemelhe à dor? O chapinhar em sufoco até morrer, não é suficiente?

    E se a imagem da Herdade da Torre Bela, não tivesse um casal sorridente e andasse a circular pela comunicação social com o título "Caçadores abatem 500 animais para doar a instituições de combate à fome" ?

    Não pretendo com isto fazer nenhum tipo de julgamento. Eu entendo que existe uma cadeia alimentar, que é cruel para as presas, e que somos os únicos predadores que podem ter noção disso. Para me confortar, prefiro pensar que na justificação para matar, considerando que se for para me alimentar, é justificado. Por divertimento, nem pensar.

    Mas gostava de compreender, porque sei que estes fenómenos de indignação com animais mortos acontecem regularmente, se nos indignamos com a forma (caçadores a sorrir junto aos cadavéres) ou com o conteúdo ( 500 animais mortos em poucas horas). 

    Será que estes fenómenos são, incoscientemente, uma forma de compensarmos todo o desprezo que damos a todos os restantes animais que são mortos em nome da nossa sociedade? Será aquele casal o bode expiatório ideal para limparmos a nossa consciência, ou andamos só sem nada para fazer?

    22 comentários

    Comentar post

    Pág. 1/2