Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Pólis

Ao contrário do que pode indicar o título deste texto, quem o escreve não é adepto de touradas.

Sendo português, desde pequeno que convivo com a transmissão de touradas na televisão. Sei que as únicas coisas que me atraiam no evento eram o momento dos forcados e a música. Com o avançar da idade e alguma (pouca) reflexão sobre o tema, fui-me apercebendo de que não conseguia nutrir simpatia por um espetáculo que consiste em torturar um animal. Cheguei a ir a uma tourada, para tirar as teimas e foi plenamente esclarecedor. Touradas não são para mim. Não conseguia entender, nem remotamente, o êxtase do público por cada bandarilha espetada no touro.

Passando à frente esta pequena contextualização da criação da minha opinião, relativamente às atividades tauromáquicas, devo dizer ainda assim, que não me tornei partidário da proibição.
O nosso país tem uma grande diversidade cultural, que não se pode recortar a régua e esquadro, a partir de Lisboa, conforme o gosto de quem lá está a ocupar cargos governativos. Concordo que é uma tradição na qual não me revejo, mas também não serei eu, de citadino, que tenho de rever.  São as pessoas dos locais em que essa prática é uma tradição, que devem rever essa representação. E o tempo é que vai demonstrar ou não, se esta é uma cultura em declínio.
A tourada acaba quando ninguém a quiser. Não há outra forma, porque os argumentos que utilizam para forçar o seu fim, não fazem sentido.
O argumento financeiro, que foi trazido ao de cima para fazer melhor figura que o simples argumento do gosto, não tem nexo pois a tauromaquia não tem um peso financeiro especialmente acentuado, que origine tamanha indignação. E a tentativa de dizer que o dinheiro era mais útil se aplicado aqui ou acolá... vai ao encontro do argumento do gosto.
O outro argumento, dos maus tratos ao animal, tem bastante lógica. Mas começar a proibir uma tourada pelos maus tratos aos animais, vai desencadear todo um rol de novas possibilidades proibitivas. E esbarra na hipocrisia.
Enquanto sociedade, nós, humanos, diariamente agredimos outros animais. Seja para nos alimentarmos, seja por desporto, necessidade ou investigação científica. Muito do que hoje existe, existe graças aos maus tratos que infelizmente infligimos a outros animais. Como é que se podem proibir uns, dizendo que se quer defender os animais, e fechar os olhos a outros?
Até onde se tinha de ir para realmente respeitarmos os animais? Quão hipócrita é, deputados se fazerem preocupados com os touros?


Por estes motivos, não me chocaria que determinadas regiões tivessem um estatuto próprio  para a realização exclusiva de touradas, enquanto meio de atração turística e potenciação económica. Limitar a prática a esses locais, de onde a tradição tem as suas raízes, seria benéfico para os concelhos em questão e entregava a decisão da fomentação ou não desta prática, a quem de direito.

633110.jpg

 

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Pólissiano 07.07.2020

    Marlene, o ponto fundamental do meu texto é: ou definimos o que são maus tratos animais e os proibimos todos ou, deixamos de ser hipócritas e assumimos que aceitamos bem os maus-tratos a animais, em determinadas circunstâncias. Daí que um meio termo poderia passar por circunscrever as touradas geograficamente, a locais de onde são naturais e sejam um estímulo económico aos que por lá habitam.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 07.07.2020

    Francamente nao sei...
    Concordo com o autor e de alguma forma, nao na integra, discordo com o comentario da M. Andrade, matar e sempre cruel mas real, e matar com maior ou menor crueldade ou diferentes finalidades, nao deixa de ser matar.
    Se somos coerentes, entao tambem somos contra os matadouros, aviarios e por ai adiante.
    O que eventualmente esta em causa e o espectaculo associado as touradas e a defesa do acto em nome da tradicao.
    E tradicao matar um porco (era completamente incapaz de participar numa matanca tradicional), mas como febras com muito prazer.
    E hipocrisia.
    A crueldade encenada para o espectaculo e desprezivel, pouco digna de ser aplaudida e nao ha tradicao que a justifique.
    A tradicao pela necessidade de sobrevivencia e um conceito completamente diferente, nao e um espectaculo, nao e encenado, nao tem patrocinadores, os participantes nao sao herois e os animais sao e sempre serao parte da cadeia alimentar, por muito que nos custe.
    Circunscrever as touradas por forma a manter a tradicao tambem nao deixa de ser uma hipocrisia, e quase como fechar os olhos quando o crocodilo come a gazela na televisao, e isso nao muda o acto em si.
    Se tenho uma opineao clara? Nao, nao gosto de touradas...
    Mas admito que haja quem goste, como tambem ha quem goste de lutas de caes, galos ou grilos, falcoaria ou corridas de galgos.
    Acabe-se e com o espectaculo, com as pracas de touros, com as transmissoes televisivas e deixemos o fenomeno ter o mesmo tratamento que tem a matanca do porco, as vindimas e outras tantas tradicoes que nao precisam de espectaculo para se manterem.
    E se acabarem e porque se concluiu que, por alguma razao, ja nao faziam sentido.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub