Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

O Partido Socialista (PS) apresentou no seu último congresso, através do secretário-geral e primeiro-ministro António Costa, propostas de apoio à natalidade e à juventude: nomeadamente o aumento das creches e incremento de benefícios no IRS Jovem.
Acontece que estas mesmas propostas já tinham sido apresentadas pelos seus rivais directos, o PSD, de Rui Rio, e uma delas o PS até votou contra (IRS Jovem).
Os socialistas que têm trabalhado na retórica de que o PSD é um partido sem ideias, sem capacidade para se apresentar como alternativa, arrisca e joga novamente com a memória curta dos portugueses. O PSD não tinha ideias, mas as poucas que tinha ao que parece era tão más que o PS não hesitou em anexá-las ao seu programa.
A surfar nas sondagens, a prometer mundos e fundos, António Costa pega num velho truque político para continuar a cilindrar o PSD - ficar-lhes com as proposta e fazer ouvidos de mercador aos gritos de "eu disse primeiro".

Daqui em diante, o PS defenderá que a proposta é sua e, quanto muito, dirá "se concordam e até dizem que já apresentaram, votem a favor" quando se der o momento de as apresentar no Parlamento.

0001-6964845632_20210831_121250_0000.png


No CDS, acontece algo parecido. O presidente do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, reagiu aos anúncios de António Costa, dado que a natalidade é um dos temas mais ligados ao partido desde sempre. Disse que eram "migalhas" e, segundo o Público está a preparar um pacote de medidas para apresentar, afetas à natalidade. Ora também aqui, houve um repescar. "Chicão" que tem, tal como os seus apoiantes, calcado na tecla de "o tempo da Assunção arruinou o CDS",  sabe-se já que inclui neste pacote que vai ser apresentado, uma boa dose de copy/paste das propostas anteriormente apresentadas por Cristas no Parlamento e chumbadas pela esquerda.

No entanto, o caso da réplica de propostas no CDS é muito menos grave, pois o que está dentro de casa é para consumo interno.

"As tuas falhas como filho, são os meus falhanços como pai. "
[Your falls as a son, are my failures as a father]

A frase é do guião do filmes "Gladiador" (2000), numa cena protagonizada entre Cómodo (Joaquin Phoenix) e Marco Aurélio (Richard Harris). Vou usá-la para metaforizar um problema de comunicação com as vacinas. 

Há gente disposta a pagar 200€ por um certificado de vacinação falso. Preferem isso, a vacinar-se gratuitamente. Podemos considerar que estas pessoas tem uma inteligência introvertida, ou podemos, com um pouco mais de reflexão pensar que é gente que acha que está a pagar para se proteger. 
 
Ora se há gente que pensa que 200€ é um preço aceitável, tendo em conta a alternativa de se vacinar  contra a covid-19, algo está a falhar profundamente na comunicação com estas pessoas. 
Porque é que continuam a achar que é um risco vacinarem-se? Porque é que continuam a considerar mais credíveis, os blogues manhosos e as mensagens partilhadas no telegram? 
 
Como dizia "Março Aurélio" no filme do gladiador, as falhas na percepção da mensagem [filho], são os falhanços do Estado enquanto mensageiro [pai]. 
 
Enquanto houver gente que pensa assim, ao ponto de organizar manifestações ou de pagar quase um terço do salário mínimo para não se vacinar, há uma missão falhada. Há comunicação que está a ser insuficiente em número em qualidade. 
Gostava de ver o orçamento gasto pelo Governo nas campanhas de sensibilização para a vacinação e compará-la com o orçamento que os partidos prevêem gastar em campanha autárquica. Tenho um palpite de que me surpreendia, pela negativa. 
 
Se não queremos assistir a cenas degradantes como a do vice-almirante Gouveia e Melo a ser insultado na rua, onde o chamaram até de assassino, há que investir muito mais na comunicação sobre a vacinação. Compreender que dúvidas têm as pessoas e porque é que as fontes de fake news lhes dão uma maior sensação de esclarecimento e confiança. 
 
Haja vontade e humildade para fazer melhor e ganhamos todos. 

0001-6729327652_20210827_112227_0000.png

 

O que se passou no Afeganistão foi novamente a história, não a repetir-se, mas a gaguejar. Tal como quando os soviéticos abandonaram o país, há mais de 20 anos atrás, os taliban aproveitaram para dominar com mão de ferro.

E8325nqWQAkoQOy.jpg


Em 2001, após os atentados de 11 de setembro, o mundo nunca mais foi o mesmo. A segurança que ainda hoje é asfixiante nos aviões, deve-se a isso mesmo. Em conjunto com essa mudança, eu apontaria mais duas, que considero serem as que mais se destacaram até hoje. Uma guerra iniciada em nome de sabe-se lá o quê -  alegadamente levar a democracia ao médio oriente, controlar pontos estratégicos etc - porque na realidade só a presidência Bush (filho) saberá ao certo. A terceira alteração, a mais significativa das três, são a quantidade de vidas humanas que se perderam por "sabe-se lá o quê". Falo dos soldados de tantos e tantos países, que abandonaram as suas famílias para cumprir ordens num país infernal, e que lá perderam a vida. Falo também das muitíssimas vítimas que nada tinham que ver com terrorismo ou extresmismo, ou qualquer outro ismo que as colocasse na mira das espingardas estrangeiras.

Talvez estes dois últimos factos não devessem ser referidos em separado, mas eu julgo que sendo um consequência do outro, ainda assim tiveram repercussões diferentes em momentos diferentes.

Estamos em 2021, os militares norte-americanos abandonaram o Afeganistão depois de 20 anos de guerra e de promessas de ajuda na construção de um país democráticos. Treinaram-se forças de segurança do afegãs para que pudessem vir a ser autónomas na defesa do se país, e construiu-se um governo fantoche ( soube-se que o presidente entretanto fugiu carregado de dinheiro).

O trabalho foi tão bem feito, que ao sairem, o regime inventado pelos americanos e pela NATO se tornou num gigante recém-nascido que não sobrevive sem os pais por perto. Para trás ficaram quantidades enormes de armamento, algum de tecnologia que nem em Portugal encontramos, que ficou à mercê dos taliban. Ficou também o futuro de muitas crianças, que ficarão agora reféns do sistema repressor que os taliban imporão.

Bastou uma semana para os fanáticos guerrilheiros islâmicos tomarem conta do país, embalados pela China, que se comprometeu a ajudar, e pelo desmazelo dos americanos que não preparam uma transição e ainda lhes deixaram brinquedos.

E85Gh6pWEAAqjlP.jpgA história gaguejou e os taliban estão novamente no poder. É lamentável, do ponto de vista de quem vive, por exemplo, na Europa, que isso aconteça. Sabemos em que tipo de vida estas pessoas acreditam. Quem rouba fica sem mãos, execuções na praça pública e as mulheres passam novamente ao estatuto de seres sencientes. A nova liderança taliban já veio dizer que não. Pode ser verdade ou podem apenas querer gerir esta entrada de forma a não atrair a interferência de nenhum país estrangeiro.

Não me chocam estas revoluções ou contra-revoluções. Cada país tem passar pelas convulsões que forem precisas até encontrar um ponto de estabilização. Se um povo se sentir reprimido, mais tarde ou mais cedo satura e reage. O que se passa até esse momento é que pode chocar. 

Em Portugal sucederam-se as reacções do Governo, partidos, bem-pensantes, comentadores e outros demais. Para a dimensão da influência que este país tem no mundo, se alguem tiver dois dedos de testa só pode considerar que ouvir políticos com ou sem responsabilidades governativas, despender mais do que um minuto de tempo com a situação do Afeganistão, é patético.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros podia-se ter limitado a emitir uma nota, para não se dizer que andam à nora sobre o que se passa no mundo e, já agora, que consideram a possibilidade de limitação dos direitos humanos no Afeganistão lamentável.
Era suficiente, mas como é obvio os nossos políticos estão preocupados com os likes e com a posição em que vão aparecer no jornal. Não destrinçam o trigo do joio, e começaram a divagar ridiculamente até chegarmos à conversa da adoção de refugiados. Estão convencidos ou querem convencer-nos que os refugiados de um país a mais de 6000km deste retângulo, terão como primeira hipótese vir para Portugal!
Nem os refugiados querem vir para Portugal, como vimos com os sírios.

O Afeganistão é um tema de "gente grande", nós ainda temos de comer muito pão até termos alguma voz que se ouça para nos darmos ao luxo de perder dias a falar disso. Temos muitos problemas por resolver, não encontrem desculpas para os continuar a empurrar com a barriga.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub