Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

RUISB6_Y.jpg medium.jpg

Passam 4 anos exatamente hoje, da tragédia que ocorreu em Pedrogão Grande. Esse terrível verão, que quanto mais tempo passa e nos recordamos da quantidade de pessoas que morreram de uma forma excruciante, mais nos apercebemos que ainda hoje não foi dada a devida importância ao acontecimento. E quando ainda hoje lemos nos jornais, ou nos sites dos jornais por assim dizer, que continuam a existir pessoas a quem não lhes foi reposta a sua habitação ou que a floresta voltou a regenerar sem que se tivesse feito nada no âmbito do seu planeamento para evitar novas catástrofes, confirmamos que a palavra vale pouco neste país.

É de palavras que é feita ação deste Governo, no que toca à reacção aos incêndios de Pedrogão. Não vale a pena voltar a insistir que não há nada melhor que prevenção porque isso já todos sabemos que não se faz. No entanto, se poderíamos fechar os olhos a uma falta de prevenção para acontecimentos inéditos, não o podemos fazer quando o comportamento se mantém igual após um chocante episódio de impreparação no socorro dos nossos.
Ao menos que pudéssemos contar com a postura portuguesa tão bem resumida no velho ditado "casa arrombada trancas à porta" . Porém, nem isso se verifica neste caso. Uma centena de mortos, da forma mais horrenda que se pode imaginar, não são suficientes para vermos da parte do Governo um empenho inequívoco na restituição do pouco que tantos perderam e na preparação para que nunca mais voltem a passar pelo mesmo.

Estes momentos, apesar de duros, podiam também servir de aprendizagem. Infelizmente, como disse acima, repetem-se as mesmas lenga-lengas e segue o baile como se nada fosse. Exemplo disso são os tuítes do deputado Miguel Costa Matos, hoje no Twitter.
O jovem parlamentar escreveu na sua conta pessoal "4 anos. Não esqueceremos. Que não deixemos que se repita."
Quem lê estas frases, podia pensar que este não é um deputado do partido que Governa. "Que não deixemos que se repita"?! É uma prece? Um desejo? É de desejos que se valem os deputados?
Não queremos pedidos lançados ao ar e publicados nas redes com ideia de que geram alguma aparência de empatia com os que sofreram. Essa empatia é demonstrada com ações, e no caso do Partido Socialista e do Governo que este partido comanda, a falta dela é atestada pela sua inação face ao sucedido. 4 anos depois ainda há gente sem casa?! De que lhes serve que digam "Não esqueceremos"? Como é que podem estas gentes voltar a confiar nas autoridades?

a-sOTsuu.jpg medium.jpg

Estas palavras escritas pelo deputado são também resultado daquilo que o PS pretende para Portugal. Cada vez mais vivemos num sistema de Estado-Partido. Em que o PS é o Estado e a autoridade omnisciente e acima de todos. Olham para nós e veêm figuras manipuláveis, subornáveis e subordinadas. Contam-nos as histórias que entenderem para reescrever o que não lhes der jeito, escrevem frases como estas do deputado Miguel, dando um ar de que não tem culpa no que aconteceu e de tudo o que podiam fazer foi feito.
Ignoram a crítica, a oposição, mas sobretudo ignoram a realidade de quem sofre. 4 anos depois, em Pedrogão, o Governo conseguiu que já ninguém lhe pedisse contas pelo que não fez, que o escândalo na atribuição de casas passasse impune e que hoje os deputados façam figura de anjinhos que pedem ao divino para que não volte a acontecer.

 

Direita com falta de imaginação

De repente querem todos mostrar-se durões com os políticos

Já perdi a conta ao número de notícias acerca de propostas dos partidos ditos de Direita, para aumentar penas ou períodos de impedimento do exercício de cargos públicos para políticos.
Não acho que as propostas sejam más, pelo contrário, só que é triste vê-los todos a ceder a uma agenda populista. Isto são propostas "clickbait". Como aquelas pessoas que quando o/a cônjugue diz que gosta de fazer X na cama, passam a fazer sempre X para agradar. Na cabeça delas, não há que enganar, se disse que gostava daquilo, então a satisfação vai ser 100% garantida!

Os partidos da direita começam a entrar em pânicos com as sondagens e, em desespero, querem agradar os eleitores fazendo tudo o que estes pedirem. Como é de senso comum que 9 em cada 10 portugueses considera os políticos uns aldrabões que deviam apodrecer a ver o sol aos quadradinhos, este ano o PSD, o CDS, a IL e o CH sucedem-se nas propostas anti-políticos. Acham que quanto mais severa a proposta, mais satisfação por parte do eleitor. Uma espécie de leilão "quem bate mais no político?".  Só que esse caminho se no CH seria natural, pois tal como o BE, é populista, nos restantes 3 é apenas confrangedor. Temos o maior partido da Oposição, o seu antigo parceiro de Governo e uns supostos moderninhos de Lisboa, todos a apresentar o mesmo.
Não há um proposta inovadora, uma nesga que demonstre visão estratégica para o país. Pensamento a médio-longo prazo, nada. Vão ao sabor da comunicação social, das sondagens e das caixas de comentários das redes sociais.

Humilham-se e sem se aperceberem, caminham numa convergência perigosa que cimenta a imagem da política como atividade de gente criminosa, pois se as pessoas já o diziam agora só podem ler estas enxurradas de propostas punitivas como a confirmação. O caldo perfeito para singrarem os extremos.

external-content.duckduckgo.com.jpg

 

E3WsLmYWQAUyvUe.png

 



Apesar de a nomeação ter acontecido no passado dia 27 de maio, a polémica com a comissão executiva das comemorações dos 50 anos do 25 de abril só rebentou hoje.
Isto porque o Porto Canal dedicou um editorial ao presidente desta comissão executiva: Pedro Adão e Silva Cardoso Pereira, conhecido como comentador pelo nome Pedro Adão e Silva.

Foi nomeada a estrutura que fará parte da organização das comemorações, no mês passado e só termina mandato em 2026. Até lá, ficámos a saber que o sr. Pedro Adão e Silva terá direito a remuneração, motorista e secretário pessoal. Mas a sua equipa ainda contará com vários entachados, como se pode ver na imagem.

De relembrar que Ramalho Eanes irá presidir às comemorações...mas sabendo disto irá mesmo? Estamos cá para ver os próximos episódios desta triste sitcom socialista, que esfrega na cara da população que faz o que lhe apetece. Há já alguns socialistas nas redes sociais a escrever que o Pedro até devia receber mais!

Podem consultar a nomeação aqui

 

Isaac Asimov e o processo criativo

«Como é que as pessoas têm novas ideias?»

jf15-viewsasimov1.jpg

 

Cruzei-me há uns dias com um interessantíssimo artigo, partilhado pela MIT Review sobre uma dissertação escrita pelo rei da literatura de ficcção científica, Isaac Asimov, em que este dá a sua perspetiva sobre o ambiente ideal para fermentar a criatividade e outros insights muito relevantes sobre o processo de geração de ideias.

Fica a sugestão de leitura (aqui)

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub