Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Pólis

Uma criança e um idoso

Uns desmarcam o que nunca esteve marcado, outros recusam-se a desmarcar o que nunca devia ter sido m

crianca_e_o_idoso.jpg

 


Há quem diga que quando se chega à idade anciã, ao estuto de idoso, à imagem de avô, mais tarde ou mais cedo nos reencontramos com a criança que há em nós. Quem dedica parte do seu tempo a cuidar dos idosos também muitas vezes apresenta o lugar-comum de que a velhice é uma segunda infância.

A criança e o idoso partilham, nos seus piores dias uma teimosia injustificada de mão dada com a rabujice proporcionalmente inversa à sua paciência. Ambos querem o que querem agora e não daqui a dois minutos. E sabem muito bem o que querem e para quê. Só não sabem justificar quando são confrontados com um possível comportamento avesso ao que seria de esperar de alguém com plena racionalidade.

Depois de ficar a achar que este texto é sobre idosos e crianças, vou agora encaminhá-lo ao objetivo do texto: transpor esta pequena divagação para a nossa criança e idoso do sistema partidário português.

E porquê? Porque encaixa perfeitamente no que aconteceu a semana passada e ainda está para a acontecer.
O Chega e o Partido Comunista, fazem as honras de vestir os papéis de criança e idoso, respetivamente. Um partido com cerca de 3 anos e outro com, alegadamente, quase 100, decidiram que deviam organizar os seus Conselhos e Congressos presenciais, nesta altura.

Agora, que estamos a bater recordes diariamente, de infetados e mortos, ambos os partidos acharam por bem reunir vários militantes no mesmo espaço.
Tal e qual uma escolha irrefletida de uma criança ou de um idoso, estes dois partidos com assento parlamentar, escolhem marimbar-se para os mortos e infetados e arrepiar caminho entre as mais básicas recomendações de combate à covid-19: se puder evitar ajuntamentos, evite.

A criança (Chega), na realidade, ainda se está a perceber se realmente tinha alguma coisa organizada, ou se apenas quis fazer a figura de partido que responsavelmente cancelou o seu Conselho Nacional. Já vimos anteriormente que há alguém naquele partido que orquestra habilmente os meios de comunicação social a favor do Chega. Não são de todo descabidas as suspeitas de que apenas, mais uma vez, jogaram com uma situação séria, para sairem bem na fotografia. Só que para azar deles, os Bombeiros de Sintra, proprietários do local onde supostamente aconteceria o ajuntamento do Chega, decidiram intervir e revelar que nunca foram contactados para a realização de nenhum evento.

Se já tinha ficado mal a ideia de que tinham criticado o Congresso do PCP, mas iam ao mesmo tempo realizar o seu próprio evento, ainda pior fica, sabermos que mentiram deliberadamente apenas para obterem atenção da comunicação social. Infelizmente, há público para tudo, e há de haver quem tenha achado muito bem este cancelamento do Conselho Nacional, ainda que haja esta hipótese de nunca ter sido sequer marcado.

Já o nosso idoso, capricha mais na rabujice. Depois da irresponsabilidade do 1º de maio e do desplante do Avante, os nossos comunistas de bolso insistem em realizar o seu Congresso.
Chegam mesmo os militantes e dirigentes do PCP a defender-se com argumentos patéticos como "os direitos políticos não estão suspensos", "com os milhares de pessoas que andam nos tranportes ninguém se preocupa" ou "querem cancelar a atividade política do PC desde a sua fundação".

O PCP, com cerca de 100 anos, não consegue ainda lavar a ideologia da cara, e ver o que se passa à sua volta. Ver que isto não é sobre eles, que ninguém está a engendrar nenhum plano maquiavélico para que não possam juntar-se num pavilhão a repetir o que já dizem desde que foram fundados como se fosse ontem.
Ver que é exatamente pelas pessoas que todos os dias, por necessidade, têm de se colocar em perigo para garantir o sustento da sua família, que eles deviam adiar o Congresso. Pois estas pessoas colocam-se em perigo porque precisam, eles estão a colocar-se em perigo por teimosia.

Os nossos comunistas continuam a não perceber o que se passou no Avante e continuam a invocar outros eventos - Fórmula 1, Teatros, Concertos - para justificar a sua afronta ao sofrimento dos portugueses. Primeiro, não se justifica uma má ação com outra má ação. Segundo, os organizadores da Fórmula 1, dos Teatros e dos concertos, não foram eleitos pelos portugueses para terem uma palavra a dizer na governação do país.
A gravidade entre uma empresa querer ignorar as recomendações de combate à pandemia não é sequer comparável à de um partido político fazer o mesmo. Porque não partilham das mesmas respnsabilidades, do mesmo papel, na sociedade. Mais caricato é que seja o partido comunista, que tanto combate a influência das empresas, a querer colocar-se no mesmo patamar que estas (Fossem mais espertos e tinham um excelente argumento para vilipendiar ainda mais os privados). Isto é tão simples, que só um velho senil, como o PCP não consegue compreender.

Cruzei-me há pouco tempo, virtualmente, com um trecho de vídeo de campanha do candidato a Secretário-Geral da Juventude Socialista, Miguel Costa Matos. Fazendo a minha própria pesquisa pessoal, dentro das limitações de um usuário normal de internet, posso resumir a conversa deste jovem em uma palavra: embuste.

É o mais jovem deputado na Assembleia da República e agora quer liderar a juventude partidária do Partido Socialista. Porquê? Porque diz que é "Tempo de Agir", porque considera que os sonhos dos jovens estão novamente em perigo.

índice.jpg


Novamente? Mas deixaram de estar em algum momento, Miguel?
Ele acha que sim, e explica no trecho que vi, que em 2015 "virámos a página da austeridade". Como assim, virámos? Está o Miguel a copiar a retórica do Primeiro-Ministro e a querer dar a entender que o PS nos salvou do malvado Passos Coelho, personificação da austeridade?

Tão jovem e tão bem alinhadinho, o Miguel na verdadade pode referir-se ao que quiser quando diz "Virámos", menos a ele próprio. É que o candidato a secretário-geral da JS, não estava em Portugal nessa altura...

Pois é, Miguel Matos conta, no seu blogue pessoal, que entre 2013 e 2015 andou a brincar aos clubes de política no Reino Unido, junto do Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn. Ele na verdade não faz ideia do que foi viver a crise.

Mas se ao ler isto acha que estou a ser injusto, explico-me melhor : Ele não faz ideia do que é viver em crise, nem faz ideia do que é viver no mundo real de um jovem português.
Não sou apologista de que nascer num ambiente familiar privilegiado tenha de ser um handicap para se poder fazer algo pelos que não tiveram a mesma sorte, mas com o Miguel torna-se difícil contornar alguns factos da sua vida e contrapô-los com o seu discurso.

O jovem prodígido do PS, que chegou ao Parlamento tão novo e não quer ver corrompidas as expetativas dos jovens, seja de que contexto for, passou a maioria da sua idade juvenil numa autêntica bolha anti-pobres.

Entrou aos 4 anos para o colégio mais caro do país, o St.Julians, onde um ano de matrícula ronda os 10,000,00€, e saiu apenas aos 18.
É portanto compreensível, que tendo passado a juventude a observar tanta miséria e dificuldade à sua volta, tenha decidido fazer algo! E esse algo passava somente por se inscrever no partido mais parasita do sistema.

É portanto compreesível, que tenhamos de gramar com o Miguel a falar de oportunidades para os jovens, pois ele sempre teve imensas dificuldades para singrar. Deve ser mera coincidência, ter conseguido ir parar ao Parlamento tão novo.

8d66eb17bb7d02ca4856ab443a78f2148cafbb129f58a3c812


Por último, detetei um laivo de honestidade no jovem socialista, quando ontem escreveu um tweet e se descaiu. Ele tem o seu público-alvo bem definido: São os jovens cosmopolitas... Tal como diria Mário Lino, o resto é deserto.

O Miguel Costa Matos representa com exímia distinção a esquerda caviar portuguesa. Não são do povo, não têm nada a ver com o povo, não sabem como vive o povo, mas têm imensas postas de pescada para atirar sobre como é que vão salvar o povo.

Este é daqueles socialistas que cheiram a Bloco de Esquerda - bem pensantes, bem falantes, sabem como resolver tudo sem conhecerem nada, a apartir dos seus sofás, num T4 em Lisboa oferecido como prenda de aniversário.

Os últimos dias têm sido muito produtivos em criação de notícias, artigos de opinião e reportagens em torno da nova era governativa que se iniciará nos Açores.
O arquipélago terá, finalmente, a oportunidade de experienciar outro estilo de governação tendo mesmo expulsado os comunistas das lides parlamentares da região - recorde-se que até o PPM ficou à frente deles.

Numa outra perspectiva, esta siuação tem gerado jogos de bastidores muito interessantes, para quem gosta. E é sobre eles que me debruço e acerca deles que terei de dar a mão à palmatória relativamente à qualidade de assessoria que o presidente do Chega hipoteticamente terá.

Ainda a procissão ia a meio, e com procissão falo nas conversações entre CDS, PPM e PSD, e já muito se discorria acerca desta pseudo geringonça invertida, porque teria de contar com aprovações no parlamento regional, de outros partidos para que tivesse pernas para andar. Falou-se na IL, no Chega e até no PAN.

Já esbracejavam os putativos arautos da liberdade à esquerda, dizendo que se ia governar com um partido de extrema direita. Como se aquilo que se tem passado no continente à 5 anos fosse muito melhor, com um Governo apoiado por partidos que celebram Che Guevara, Fidel Castro, Mao ou que põem em hipótese que a Coreia do Norte seja uma democracia.

Não acho que sirva de justificação para nada, apontar o mal que outros fazem. Mas é impossível ficar-se calado com tamanha hipocrisia.

Após o entendimento desta nova AD 2.0 , parece que se exigiu ao PSD regional que garantisse a aprovação dos orçamentos no parlamento regional. Para isso, o PSD tentou então conversar com a IL e com o Chega. E a partir da segunda conversa, com o partido de Ventura, é que o PSD nunca mais apanhou o fio à meada.

O CH desde então tem jogado com mestria, e assim que terminou a conversa com o PSD, lançou para a comunicação social a ideia de que se tinha firmado um acordo que incluia a redução do número de deputados, a castração química e uma possível extensão do acordo às autárquicas.

Fazendo lembrar o filme "Wag the Dog", o Chega marcou a agenda e minou a credibilidade do PSD. Costuma-se dizer para não lutarmos com porcos não é...?

O PSD viu-se obrigado a desmentir essas informações, mas o dano estava feito. O primeiro a gritar ouve-se mais pois o segundo já não conta com todos os ouvintes na sala.

Depois de dezenas de reacções nas redes, mais outra dezena de artigos de opinião e manchetes, Rui Rio veio tentar remediar o irremediável: a ideia de que fez um acordo com a extrema direita estava no ar.

Após tudo isto seguiram-se, para além do desmentido, algumas defesas usando a tal questão da geringonça continental. E Rui Rio, que tem um registo patético nas redes sociais, acha boa ideia brincar com o tema.
Ontem, mais uma vez, a assessoria de André Ventura, revelando muita perspicácia, esteve atenta ao que Rui Rio fazia e conseguiu gerar mais uma nódoa no peito do PSD.

O líder dos laranjas faz um tweet infeliz, perguntando se há novidades acerca do "avanço do fascismo nos Açores" e, cerca de uma hora depois, André Ventura escreve outro tweet exatamente sobre o mesmo.

IMG_20201112_110345.jpg

 



Resultado: Ventura puxa o PSD para junto de si, demonstrando consonância de pensamento e articulação conjunta na comunicação externa. Para quem leu ambos, fica com a ideia de que combinaram ou que são muito parecidos. De uma cajadada André Ventura conota o PSD com a extrema direita, para quem vê de um lado, e conota o Chega com o centro-direita, para quem vê do lado oposto.

Em pouco dias, o partido de André Ventura, talvez por o terem subestimado, fez gato sapato da reputação do PSD e ainda se serviu da comunicação social como bem quis.

Todo este lodo teria sido evitado de uma forma muito simples: PSD, CDS e PPM não precisavam de falar com ninguém para formar governo. Quem estava com eles estava do lado da direita, quem não estava colocava-se ao lado da esquerda. Este era o argumento único que devia ter sido utilizado, sem direito a conversações.


Já aqui (post sobre o assunto aqui) tinha discorrido acerca da falta de sentido institucional e má educação do Secretário de Estado João Galamba. Hoje, na comunicação social foi noticiado que ele e o Ministro Siza Vieira estão a ser investigados por corrupção no projeto do Hidrogénio em Sines.

image.aspx.jpg

 


Relembro mais uma vez, que este Governo já demitiu um Ministro por ter feito um post no Facebook. Relembro agora que o último Ministro investigado por corrupção durante o exercício do cargo, foi Miguel Macedo do PSD. À época, demitiu-se imediatamente para permitir "ser investigado o que tiver de ser investigado»" e permitir a separação de poderes.

Veremos se uma suspeita de corrupção, instiga nestes governantes o mesmo sentido de Estado e os consciencializa de que se devem demitir.
Especialmente o João Galamba, ou será que nem uma suspeita de corrupção é suficiente para o primeiro-ministro o colocar na rua? Se assim for, é legítimo que nos comecemos a indagar o que terá o Secretário de Estado que o torna tão intocável?

Há um sketch dos Gato Fedorento, "Matarruanos dão indicações", em quem uma automobilista se aproxima de um senhor, um matarruano, e lhe pede indicações para o Centro Cultural. O indivíduo, muito prestável, dá-lhe as indicações: "(...)vai recto, apanha um caminho para a direita, não vira! Apanha um caminho para a esquerda, não vira!(...)". Nisto, um segundo matarruano que está a passar e se apercebe de que o seu conterrâneo está a dar direções para o Centro Cultural, decide intervir porque notou que estavam erradas. Ficam então os dois a dar indicações contraditórias sobre como chegar ao mesmo sítio. O sistema repete-se com um terceiro e um quarto matarruano. A automobilista fica a ver os quatro homens a digladiarem-se com diretivas contrárias uns aos outros, tentando superiorizar-se no volume, durante uns minutos até que desiste e decide arrancar com o carro sem querer saber das indicações de ninguém.
 
 Por os Gato Fedorento terem sido uma constante durante a minha adolescência, existem inúmeras situações que me remetem para os seus sketches. Este em particular, surgiu-me à memória quando refleti sobre a panóplia de indicações, contra indicações e falsas indicações que nos têm sido transmitidas até hoje, acerca da pandemia de covid-19. Quem não conhece o vídeo, aconselho a visualização e experimente colocar a população portuguesa no lugar da pobre automobilista e no lugar dos matarruanos o Governo, os partidos, o Presidente da República, a Ordem dos Médicos, a Ordem dos Enfermeiros, os virologistas, os comentadores. Pode imaginar mais uns quantos matarruanos para representar os negacionistas do Qanon, em forma de Médicos e Jornalistas "pela Verdade".
 
E nós, sentados no carro, de olhos trocados e já com pouca paciência para conspirações das máscaras, restrições à circulação que são apenas recomendações ou dos mesmos avisos desde março de que a situação via piorar, acabamos por "arrancar". Uns escolhem ouvir apenas fontes oficiais, outros enveredam pelas conspirações e uns terceiros desistem de ouvir quem quer que seja e decidir tudo à sua vontade.
 
Quando as autoridades de saúde não conseguem ser a voz que se destaca no meio de todas as outras, quando o governo revela desgoverno nas orientações à população, a tarefa de diminuir o nº de infecções torna-se hercúlea. O Ministério da Saúde está descredibilizado, Marta Temido não inspira confiança a ninguém a não ser à Cristina Ferreira - que dá festas "de arromba" em casa sem uma única máscara à vista.
 
A crise pandémica parece ainda ter muitos episódios por vir. Atrás, como já vem sendo previsto há uns meses, virá a crise económica que afetará com mais intensidade, como sempre, as famílias desfavorecidas, os jovens que pretendiam ingressar no mercado de trabalho, os pequenos empresários.
Felizmente poderão contar com a esquerda que, vendo uma crise à vista, terminou o seu estado de oposição em layoff e aplicou a necessária distância de segurança do Governo. A partir do próximo Orçamento de Estado (OE) já podem fingir (ainda mais), que não tiveram nada a ver com o que não foi feito até hoje, que não têm culpas no desinvestimento do SNS ou da Educação. A proposta de OE para 2021 passa agora a comprometer os objetivos da Geringonça, que eram sorrir e acenar quando apareciam medidas populares, e fingir-se de morta aquando das medidas mais mázinhas.
 
Citando uma célebre deputada do Bloco de Esquerda, eleita pelo distrito de Setúbal, para descrever o comportamento dos parceiros do Governo: "como é que se chamam aqueles animais que rondam a área à espera de uma morte para se alimentarem?". Estes já se estão a colocar em posição. 

 



 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub